Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Guarde a data: a 25 de outubro, a F1 regressa a Portugal

Fórmula 1 está de regresso a Portugal, desta vez no Autódromo Internacional do Algarve. A prova vai, ao que tudo indica, acontecer no fim de semana de 23 a 25 de outubro. Liberty deverá confirmar sexta-feira a inclusão de Portimão no calendário. À tarde há conferência de imprensa de apresentação da prova

Lídia Paralta Gomes e Pedro Candeias

FRANCISCO LEONG/Getty

Partilhar

O GP Portugal de 2020 é uma realidade. O Autódromo Internacional do Algarve vai receber uma das provas de uma temporada marcada pelos efeitos da pandemia da covid-19, que obrigou a Liberty Media, que detém os direitos do Mundial, a reformular o calendário. A prova será marcada para o fim de semana de 23 a 25 de outubro, sabe a Tribuna Expresso.

Para lá da Fórmula 1, Portimão também deve receber as corridas de apoio, nomeadamente a F2 e a F3. O grande prémio já terá, também, sabe a Tribuna Expresso, designação oficial: ao que tudo indica será Grande Prémio Heineken de Portugal. A cervejeira já terá informado a sua subsidiária em Portugal de que iria patrocinar o evento. A Heineken é também um dos grandes sponsors da F1.

A Liberty deverá anunciar ao início da tarde de sexta-feira a inclusão de Portugal no calendário. Para sexta-feira está também marcada uma conferência de imprensa no Autódromo Internacional do Algarve.

Para lá de Portimão, há mais dois GP que deverão ser oficializados: Nurburgring, a 11 de outubro, e Imola, a 1 de novembro.

Trata-se assim do regresso da Fórmula 1 a Portugal 24 anos depois: em 1996, o Estoril recebeu pela última vez uma prova da F1, ganha na altura pelo canadiano Jacques Villeneuve (Williams).

A situação pandémica a nível global levou a uma série de cancelamentos e adiamentos de provas que estariam naquele que seria o mais extenso calendário dos 70 anos de história da Fórmula 1. Numa fase inicial, a Liberty anunciou oito provas iniciais em solo europeu, duas no Red Bull Ring, na Áustria, Hungria, nova prova dupla em Silverstone, seguidas do GP Espanha, Bélgica e Itália, em Monza. Em meados de junho, Ross Brawn, diretor desportivo da Fórmula 1, deixava claro que havia ainda espaço no calendário para mais provas na Europa e foi neste contexto absolutamente inédito que o nome de Portugal voltou a ser falado para receber uma corrida de Fórmula 1.

As palavras de Brawn não deixaram dúvidas: o Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, competia com Mugello, Ímola (ambos em Itália) e Hockenheim (na Alemanha) para integrar o calendário de 2020, substituindo algumas das corridas entretanto canceladas. No comunicado em que confirmou o cancelamento das corridas do Azerbaijão, Singapura e Japão, a 12 de junho, a F1 não abriu totalmente o jogo, mas sublinhou que estavam a ser feitos "progressos muito significativos com promotores já existentes, mas também novos" - e é nesta categoria em que entra o Autódromo Internacional de Portimão, bem como a pista de Mugello, que entretanto já foi confirmada no calendário, tal como Sochi, na Rússia.

A primeira vez que o GP Portugal fez parte do Mundial de F1 foi no longínquo ano de 1958, na altura disputado no Circuito Urbano da Boavista, no Porto. A vitória foi para Stirling Moss, desaparecido este ano. Voltou a disputar-se em 1959, desta vez em Lisboa, em Monsanto, e em 1960 voltou às ruas do Porto.

O GP Portugal só voltaria ao calendário em 1984, já no autódromo do Estoril, disputando-se sem interrupções até 1996.