Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Hamilton pode ser heptacampeão já no domingo e estas são as contas do título

O britânico está a um pequeno passo de igualar Michael Schumacher no topo dos maiores campeões da F1. Em Istambul, este domingo, uma vitória dá-lhe o título, mas há muitas formas do piloto da Mercedes sair do GP Turquia já campeão, naquele que será um dos títulos mais fáceis da carreira de Hamilton

Lídia Paralta Gomes

Bryn Lennon - Formula 1

Partilhar

Quando os efeitos da pandemia transformaram aquele que seria o maior calendário da história da Fórmula 1 - 22 GPs - numa versão light com apenas 17 corridas, a fazer lembrar os anos 90, a bola de cristal das projeções clamou por dificuldades para Lewis Hamilton em 2020. Menos corridas poderia significar mais equilíbrio, um Valtteri Bottas mais próximo do britânico, quem sabe um Max Verstappen a imiscuir-se na luta pelo título.

Acontece que com menos corridas, Lewis Hamilton foi tão ou mais dominador que em temporadas anteriores. No ano em que bateu o recorde de mais vitórias na história da Fórmula 1, no GP Portugal, com 92, mais uma que Michael Schumacher, o piloto da Mercedes poderá festejar o 7.º título mundial - que o colocaria também ao lado do alemão na lista dos maiores campeões da Fórmula 1 - já esta semana, no GP Turquia, quando ainda temos, além da corrida nos arredores de Istambul, mais três GPs até ao final do campeonato, am Abu Dhabi.

Para tal, Hamilton nem terá necessariamente de fazer a corrida da sua vida: o título depende de si e inteiramente de si. Se ganhar, é campeão, mas nem precisa de ser o primeiro a cruzar a meta para levar o título. E, olhando para a consistência que mostrou ao longo de toda a temporada de 2020, dificilmente este não lhe cairá nas mãos já no domingo.

O companheiro de equipa Valtteri Bottas é neste momento o único obstáculo à conquista do 7.º título: se o finlandês vencer com o ponto extra da volta mais rápida, o título estará automaticamente adiado, mesmo que Hamilton seja 2.º. Mas não faltam caminhos para o britânico lá chegar:

- Se Bottas vencer, mas sem volta mais rápida, Hamilton tem de ser 2.º classificado;

- Se Bottas for 2.º com volta mais rápida, basta a Hamilton ser 4.º. Se o finlandês foi 2.º sem volta mais rápida, Hamilton terá de ser pelo menos 5.º com volta mais rápida;

- Se Bottas for 3.º com volta mais rápida, a Hamilton basta ser 5.º. Sem volta mais rápida para o finlandês, basta ao britânico ser 6.º;

- Se Bottas for 4.º com volta mais rápida, Hamilton ter de ser 7.º. Sem volta mais rápida, basta um 8.º lugar com volta mais rápida para Hamilton;

- Se Bottas for 5.º com volta mais rápida, basta o 8.º para Hamilton. Sem volta mais rápida, Hamilton tem de chegar ao 9.º com volta mais rápida;

- Se Bottas for 6.º com volta mais rápida, Hamilton terá de ser 9.º. Sem volta mais rápida, Hamilton terá de ser 10.º;

- Se Bottas for 7.º, Hamilton é automaticamente campeão.

Em suma, chegar à frente de Bottas será sempre suficiente para Hamilton. Se os dois Mercedes desistirem, o título vai também para o britânico. Bottas precisa de um verdadeiro milagre.

Um campeão prematuro

Com nove vitórias nos treze grandes prémios já disputados, uma enormidade ainda para mais se pensarmos que Valtteri Bottas tem apenas dois triunfos este ano, Hamilton está assim a caminho daquele que será um dos títulos mais fáceis da carreira.

Caso seja campeão na Turquia, este fim de semana, Hamilton agarra o título quando ainda faltarão três provas para o final do campeonato. Só um dos seus até agora seis títulos foi conquistado tão cedo na temporada: em 2015, quando foi campeão no GP EUA, em Austin, quando faltam precisamente três corridas para completar a temporada. Com a diferença que o Mundial de 2015 teve 19 provas e este terá apenas 17.

O mais apertado foi mesmo o seu primeiro título, em 2008: na última corrida do ano, em Interlagos, no Brasil, já Felipe Massa festejava aquele que poderia seria o seu primeiro título quando Hamilton ultrapassou Timo Glock numa das últimas curvas da última volta. O 5.º lugar foi suficiente para ficar à frente de Massa.

Em 2014, no primeiro título com a Mercedes, tudo foi resolvido entre Hamilton e o então colega Nico Rosberg na última corrida do ano, em Abu Dhabi.

Festejar um título em Istambul será também uma novidade para Hamilton, que há um ano foi campeão em Austin, tal como em 2015. Em 2017 e 2018 a festa foi feita no final do GP México.