Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Grosjean: "Não era a favor do halo há uns anos, agora acho que é a melhor coisa que trouxeram para a F1. Sem ele não estávamos aqui a falar"

O piloto francês da Haas escapou de forma miraculosa a um dos piores acidentes da história recente da Fórmula 1 e na cama do hospital diz que o halo, a proteção usada desde 2018 acima do cockpit, lhe salvou a vida

Tribuna Expresso

Dan Istitene - Formula 1

Partilhar

Em 2018, a introdução do halo, a proteção colocada acima do cockpit do carro, foi duramente criticada por vários diretores de equipa e pilotos de Fórmula 1, por razões estéticas - Toto Wolff, diretor da Mercedes, chegou mesmo a pedir "uma motosserra" para cortar o halo - mas desde domingo que não haverá quem seja contra o dispositivo, depois deste ter tido um papel essencial para que Romain Grosjean tenha saído praticamente ileso de um dos piores acidentes da história recente do Mundial.

E é o próprio a assumir que o halo lhe salvou a vida, depois do Haas do francês se enfaixar a 221 km/h nos rails de proteção da curva 3 do circuito de Sahkir, antes de se transformar numa bola de fogo.

"Olá a todos, só queria dizer que estou ok. Bem, mais ou menos ok", começou por dizer Grosjean a partir de uma cama do Hospital das Forças de Defesa do Bahrain. "Eu não era a favor do halo há uns anos, agora acho que é a melhor coisa que trouxeram para a Fórmula 1 e sem ele não estaríamos aqui a falar hoje", disse ainda o veterano piloto numa mensagens em vídeo, publicada pela sua equipa nas redes sociais.

Grosjean passou a última noite no hospital por precaução, depois dos exames mostrarem que, de forma milagrosa, o gaulês não sofreu qualquer fratura no acidente, estando a ser tratado para queimaduras nas mãos e nos tornozelos.

Gunther Steiner, diretor da Haas, deixou para mais tarde uma decisão sobre se Grosjean será substituído para o GP Sahkir, já no próximo fim de semana, que também se vai realizar no Bahrain.

"Conhecendo-o, sei que ele quer voltar mas vamos ver nos próximos dias. Amanhã [hoje] vão tirar-lhe os curativos, não fazemos ideia como estão as coisas", disse o italiano em declarações à imprensa ainda no circuito.