Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Grosjean fora do GP Sakhir e Pietro vai ser o 4.º Fittipaldi a correr na Fórmula 1

Há mais uma geração de Fittipaldis na Fórmula 1: Pietro, neto de Wilson, sobrinho-neto de Emerson e primo de Christian, vai substituir Romain Grosjean na Haas para o GP Sakhir

Lídia Paralta Gomes

Pietro Fittipaldi, aqui ao lado de Romain Grosjean, o homem que vai substituir no GP Sakhir, no próximo fim de semana

Lloyd Images/Getty

Partilhar

A recuperação de Romain Grosjean depois do grave acidente do GP Bahrain está a correr bem e, de acordo com as últimas informações da Haas, o francês deverá ter alta já na terça-feira. No entanto, as queimaduras que sofreu nas mãos e nos tornozelos não vão permitir que esteja à partida do GP Sakhir, já no próximo fim de semana, com a equipa norte-americana a anunciar também esta segunda-feira que Pietro Fittipaldi estará aos volantes do VF-20 na penúltima prova do Mundial de 2020.

Aos 24 anos, o piloto brasileiro fará a sua estreia na Fórmula 1 e será o 4.º Fittipaldi a estar à partida de uma prova de Fórmula 1. Pietro é neto do mítico Emerson Fittipaldi, campeão mundial em 1972 e 1974, que venceu 14 grandes prémios durante 10 temporadas na Fórmula 1.

Mais discreta foi a passagem de Wilson, irmão mais velho de Emerson, pelo Mundial. Fez 35 corridas entre 1972 e 1975, mas mais do que pelas suas habilidades ao volante, Wilson ficou conhecido por ter fundado ao lado do irmão a Copersucar-Fittipaldi, até hoje a única equipa brasileira a correr na Fórmula 1 - ambos, além de fundadores, foram pilotos da equipa, que esteve no Mundial entre 1975 e 1982.

Já na década de 90, foi a vez de Christian Fittipaldi chegar à Fórmula 1. Filho de Wilson e sobrinho de Emerson, o piloto nascido em São Paulo estreou-se na categoria máxima em 1992 com uma enorme expectativa, depois de se sagrar campeão da Fórmula 3000 (então a principal porta de entrada na F1 para jovens pilotos) no ano anterior. Contudo, em três temporadas, duas na Minardi e outra na Footwork, o melhor que Christian conseguiu foram dois 4.º lugares em 1994.

No ano seguinte mudou-se para a Fórmula CART, no Estados Unidos, mas seria na resistência que Christian Fittipaldi conseguiria os melhores resultados, com três vitórias nas 24 horas de Daytona, em 2014 ao lado do português João Barbosa e em 2018 fazendo equipa com Barbosa e outro português, Filipe Albuquerque.

Pietro será assim o 4.º elemento do clã Fittipaldi a chegar à Formula 1, ainda que como piloto de substituição. O brasileiro nascido em Miami é piloto reserva e de testes da Haas desde a época passada e já estava no Bahrain a acompanhar a equipa, o que facilitou a decisão. “O Pietro tem estado connosco nas duas últimas temporadas e esta é a decisão acertada. É uma boa oportunidade para ele”, sublinhou Gunther Steiner, o team principal da Haas, numa nota publicada no site oficial da equipa. “Ele tem sido paciente e sempre esteve preparado para isto. É por isso que o queremos no carro e tenho a certeza que ele vai fazer um bom trabalho. É muito exigente ser chamado assim à última hora, mas acredito que é a decisão correta para a equipa”, disse ainda o italiano.

O brasileiro frisou que estas não são “as circunstâncias ideais” para se estrear na Fórmula 1, mas agradeceu a confiança da equipa. “Tenho estado com a Haas em grande parte das corridas este ano, tanto na pista como a fazer sessões de simulador, portanto estou familiarizado com os procedimentos da equipa. Vai ser entusiasmante fazer a minha primeira corrida na Fórmula 1, vou dar o máximo e estou ansioso que chegue sexta-feira e a primeira sessão de treinos”.

Pietro Fittipaldi fará a estreia no circuito de Sakhir, o mesmo que recebeu o GP Bahrain, mas que terá no próximo fim de semana uma configuração diferente.