Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Perez, de último para primeiro, na emocionante vitória de um piloto sem lugar em 2021 - e no dia da odisseia de azares de George Russell

Corrida de loucos no GP Sakhir, no Bahrain, com a Mercedes a deitar tudo a perder, "roubando" a vitória a George Russell com uma desastrosa paragem na box quando a corrida estava mais que controlada. Quem aproveitou foi Sergio Perez, que até andou em último depois de um incidente na 1.ª volta, e foi escalando, conseguindo aos 30 anos a sua primeira vitória na F1

Lídia Paralta Gomes

Mario Renzi - Formula 1/Getty

Partilhar

Na curva 4 da 1.ª volta do GP Sakhir, Sergio Pérez foi interveniente acidental da desmesurada ambição de Charles Leclerc (Ferrari), que ao tentar encontrar o espaço onde ele não existia, ficou fora da corrida e ainda arrastou Max Verstappen (Red Bull) consigo. Pérez teve mais sorte, continuou em pista mas foi à box e saiu em último. A corrida parecia definitivamente comprometida para o mexicano.

Mas o mexicano, que há uma semana perdeu o pódio nas derradeiras voltas do GP Bahrain devido a um problema mecânico, estava longe de acabado. Depois da saída do safety car, rapidamente foi escalando e escalando até chegar aos pontos, numa altura em que, lá à frente, a Mercedes dominava como queria.

George Russell, o super-substituto de Lewis Hamilton, era então líder, uma liderança admiravelmente tranquila depois de ultrapassar Valtteri Bottas na partida e de conseguir manter o finlandês à distância. O jovem britânico parecia caminhar para uma impressionante vitória, que seriam os seus primeiros pontos na F1, depois de duas épocas a seco na Williams, quando o caos invadiu a box da Mercedes.

À volta 63, a equipa tentou um double-stack, parando Russell e Bottas ao mesmo tempo mas, na confusão, os pneus de Bottas foram parar ao carro de Russell. A troca só foi detetada quando um dos mecânicos do finlandês não conseguiu montar o pneu frontal esquerdo no carro de Bottas.

No meio de tudo isto, desta confusão merecedora da inclusão da canção da série Benny Hill, ainda para mais de uma equipa que nos habituou a não errar, Sérgio Perez já era 3.º e depois 2.º com a paragem lenta de Bottas. E com Russell obrigado a voltar à box para trocar o set de pneus errados, o mexicano, há 190 grandes prémios e 11 temporadas à procura de uma vitória, passou mesmo para a frente.

Russell, o azarado do dia

Russell, o azarado do dia

Mark Thompson/Getty

Mas ainda não foi aí que Perez garantiu o seu primeiro triunfo na F1. Com pneus novos, Russell vinha num ritmo frenético, ultrapassando rapidamente Bottas, com pneus desgastados, Lance Stroll e Esteban Ocon, antes de iniciar a perseguição a Perez. Mas de novo azar bateu à porta do britânico - era 2.º quando um furo que o obrigou a voltar à box. Um final inglório para Russell, com uma série de azares e erros que lhe roubaram a primeira vitória, no primeiro fim de semana em que correu com o Mercedes W11.

Estávamos então a pouco mais de 10 voltas do final, uma dezena de voltas nervosas com o pelotão agrupado depois da entrada de novo safety car. Mas seria mesmo Checo Perez o primeiro a ver a bandeira de xadrez. Há 50 anos, com Pedro Rodríguez, um dos malogrados hermanos Rodríguez, que o hino mexicano não se ouvia numa corrida de Fórmula 1.

Apesar das peripécias e das borlas da Mercedes, que deitou por água abaixo uma corrida que estava mais do que controlada, a vitória de Checo Pérez é merecida, ele que é um dos pilotos mais consistentes e seguros em corrida, mas que na próxima temporada não deverá ter lugar na grelha, depois de ser dispensado pela Racing Point, futura Aston Martin, para dar passagem a Sebastian Vettel.

No 2.º lugar houve estreia em pódios: Esteban Ocon, da Renault, que partiu de 11.º, beneficiou de uma estratégia de apenas uma paragem para dar nova alegria ao construtor francês. Lance Stroll, companheiro de equipa de Perez na Racing Point, foi 3.º. Russell ainda foi 9,.º, com a volta mais rápida, conseguindo assim os três primeiros (mas muito amargos) pontos da sua carreira na Fórmula 1.

A Fórmula 1 volta para a semana, na season finale de Abu Dhabi.