Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Fórmula 1

Mais de 100 milhões de pessoas viram o GP Portugal na TV, a corrida mais vista entre as novas provas do calendário 2020

Fórmula 1 revelou os números relativos às audiências televisivas de 2020 e o GP Portugal surge como o mais visto entre as novas corridas. Em geral, os efeitos da pandemia não se fizerem sentir em demasia no Mundial de F1, apesar de na última temporada não ter visitado mercados como China, Estados Unidos ou Austrália

Lídia Paralta Gomes

Dan Istitene - Formula 1/Getty

Partilhar

A temporada da F1 de 2020 foi feita de contratempos devido à covid-19, mas ainda assim os números médios de audiência televisiva não mostram a quebra que se esperaria, mesmo tendo em conta que o calendário teve menos quatro corridas que em 2019 e que o Mundial não viajou para mercados como Austrália, Japão, China ou América do Norte e do Sul.

De acordo com números divulgados esta segunda-feira pela Fórmula 1, a audiência média dos Grandes Prémios em 2020 foi de 87,4 milhões de pessoas, o que significa uma diminuição de apenas 4,5% face a 2019, mas em linha com os números de 2016, 2017 e 2018 (87 milhões), pelo que a F1 acabou por não sofrer em demasia com os efeitos da pandemia, pelo menos no que às audiências diz respeito.

“A audiência média de 2020 está influenciada pelo facto da temporada ter decorrido na Europa e na região do Golfo, o que significa que um número de regiões não teve o seu grande prémio e que a hora de início das corridas nem sempre se adequou a certos mercados. O habitual aumento de audiência que vemos em determinadas corridas também não aconteceu”, pode ler-se num comunicado publicado no site oficial da F1.

O mesmo comunicado congratula-se pela grande tração das corridas em novas pistas, onde Portimão aparece em destaque: 100,5 milhões de pessoas assistiram ao GP Portugal. A corrida com audiência mais elevada na última temporada foi o GP Hungria, com 103,7 milhões de espectadores.

Ainda sobre os números totais, mesmo em tempo de pandemia a audiência da Fórmula 1 explodiu em certos mercados face a 2019: mais 71% na Rússia, mais 43% na China e mais 28% na Holanda. Nos Estados Unidos, mesmo sem a corrida de Austin, a audiência subiu 1%.

Nas principais redes sociais, a F1 assistiu a um aumento de 36% no número de seguidores, para 35 milhões.