Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Fórmula 1

Hamilton ainda duvidou da estratégia da Mercedes, mas foi a estratégia que lhe deu a vitória no GP Bahrain

A primeira prova do Mundial de F1 de 2021 foi decidida nas paragens nas boxes, onde a Mercedes acertou na estratégia para bater a Red Bull e Max Verstappen. As voltas finais foram de luta em pista entre Hamilton e o holandês, com o britânico a conseguir segurar a liderança, no GP em que bateu mais um recorde de Michael Schumacher: o das voltas lideradas

Lídia Paralta Gomes

Dan Istitene - Formula 1/Getty

Partilhar

Já bem dentro da fase final da corrida, a realização focou um pé nervoso, a abanar freneticamente. Era o pé de James Vowles, o homem da estratégia da Mercedes, porque nos minutos seguintes saberia se o seu plano para Lewis Hamilton ganhar a primeira prova do ano resultaria ou não.

E, como normalmente acontece na Mercedes, resultou.

Com Max Verstappen a partir na frente, com um Red Bull que parece estar ao nível ou até melhor que o carro alemão, a Mercedes optou por fazer parar Lewis Hamilton mais cedo que o holandês nas duas passagens pelas boxes. À segunda, o sete vezes campeão do Mundo ainda duvidou, mas a mensagem do seu engenheiro era clara: essa seria a única hipótese de confirmar o undercut feito a Verstappen na primeira paragem.

Tudo seria decidido depois da última paragem do holandês, a 16 voltas do fim, que com pneus com mais vida foi em autêntica caçada ao britânico, recuperando rapidamente os oito segundos que os separavam. A três voltas do fim, Verstappen conseguiria mesmo a ultrapassagem, mas ao ultrapassar os limites de pista na curva 4 acabou por ser obrigado a ceder novamente a posição a Hamilton. E a partir daí o piloto da Mercedes conseguiu manter Max à distância, ou pelo menos a uma distância suficiente para garantir uma vitória que tem muito de bastidores, muito do xadrez que se faz nas boxes, mas também da resiliência de Lewis Hamilton. A Mercedes ainda colocou Valtteri Bottas no lugar mais baixo do pódio.

Pelo caminho, para lá de uma vitória suada, difícil e que terá sabido muito bem ao britânico depois de todos os problemas que teve nos testes há duas semanas, Hamilton ainda bateu mais um dos recordes de Michael Schumacher, ao tornar-se em plena luta com Verstappen no piloto com mais voltas lideradas na história da F1 (5112).

Tudo muito equilibrado

De resto, o GP Bahrain serviu para confirmar que está tudo mais equilibrado, com várias lutas interessantes no 2.º pelotão, em que McLaren e Ferrari se evidenciaram em Sakhir. Lando Norris (McLaren) foi 4.º, seguido de Sergio Perez, que se estreou na Red Bull com um 5.º lugar depois de ter começado a prova do pit lane. Seguiram-se Charles Leclerc (Ferrari) em 6.º, Daniel Ricciardo (McLaren) em 7.º e Carlos Sainz (Ferrari), em 8.º.

Boa corrida para o rookie Yuki Tsunoda, a arrancar o 9.º lugar a Lance Stroll (Aston Martin) nos derradeiros momentos da prova. Já Fernando Alonso teve um regresso azarado, ao desistir com um problema hidráulico no Alpine.

Mick Schumacher levou o Haas ao 16.º posto, ainda assim à frente do AlphaTauri de Pierre Gasly e do Williams de Nicolas Latifi. O início do GP Bahrain ficou marcado pelo despiste do seu colega de equipa, Nikita Mazepin, logo nas primeiras curvas da prova, obrigando à chamada do safety car.

O Mundial de F1 viaja agora para a Europa, com o GP Made in Italy e dell’Emilia Romagna, em Imola, marcado para 18 de abril.