Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Fórmula 1

Fórmula 1. De Max para Lewis ficaram seis pontos entre os pingos da chuva

A Fórmula 1 sai do Grande Prémio da Turquia com mais uma baldroca na classificação. Max Verstappen terminou atrás do vencedor Valteri Bottas e recuperou a liderança do mundial porque Lewis Hamilton acabou no 5.º lugar, aparentemente chateado com a estratégia escolhida pela Mercedes

Diogo Pombo

Dan Istitene - Formula 1

Partilhar

Canção brasileira há que desafia quem tem medo de chuva e os porquês, se pessoa não é de papel, nem feita de açúcar ou algo parecido com mel, nada a temer de uns pingos molha-alcatrão na Turquia, onde pista molhada pode virar arrelia para quem tem de conduzir um carro feito para superar os 300 quilómetros por hora, mas espicaça quem apenas tem de assistir.

Logo na partida deste Grande Prémio cinzento, molhado e cheio de sprays de água levantados pela passagem de monolugares, houve dois piões a serem feitos. À primeira curva, Fernando Alonso zarpa disparado pista fora, único piloto a lidar escorregadiamente com as condições logo no arranque.

A corrida banhada com o rasto de chuva em Istambul manteve os pilotos com pneus intermédios até à 32.ª volta, quando Daniel Ricciardo deu exemplo e foi o primeiro a ir às boxes no dia cinzento para arriscar mudar de pedaços rolantes de borracha. Poucas voltas depois, Max Verstappen aproveitou o escudo possível estava a ser Sergio Pérez, agarrado ao volante a tentar bloquear a passagem ao piloto que o holandês mais quer ver longe.

Hamilton lutou durante minutos na traseira do mexicano, acabando por ultrapassá-lo e ficar com o holandês à vista, a cheirar o rasto de quem liderava o mundial de Fórmula 1 e essa fragrância talvez o tenham feito responder "não acho que seja" quando, pelos ouvidos, lhe chegou a ordem de ir trocar de pneus intermédios para as últimas 15 voltas — o britânico, sabendo ou não da ousadia aventureira de Charles LeClerc, sugeria imitá-lo.

Mario Renzi - Formula 1

O monegasco perguntou à equipa se a borracha que tinha calçada aguentaria toda a corrida, anuíram as suas intenções e, quando a Mercedes disse ao britânico que o melhor era ir trocar os seus pneus, também Hamilton torceu o nariz dentro do capacete (apesar de os intermédios que largou já mais parecerem lisos, tal o desgaste). Ambos acabariam por os trocar — Esteban Ocon seria o único piloto a não parar nesta corrida. E o ritmo de ambos no retorno ao alcatrão ressentiu-se.

Charles (4.º) terminaria à frente de Lewis (5.º) com o sete vezes campeão a quase nem saber em que posição estava durante as últimas voltas, vocalmente chateado com a estratégia da equipa. À frente de ambos, os Red Bull de Pérez e Verstappen fecharam o pódio atrás de Bottas, o vencedor que foi seguindo e conduzindo sem alaridos.

O mundial sai do molhado Grande Prémio da Turquia com uma 10.ª vitória na carreira para o finlandês e mais baldrocas na classificação: Verstappen tem agora seis pontos de vantagem sobre Hamilton e está dada mais uma animada à Fórmula 1 nesta temporada.