Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Fórmula 1

Chefe da Mercedes imagina choques intencionais à moda de Senna e Prost na luta pelo título da F1, mas Hamilton e Verstappen rejeitam a ideia

Na época de Ayrton Senna e Alain Prost existiram campeonatos decididos através de embates intencionais entre os dois carros. Toto Wolff, chefe de equipa da Mercedes, considera que a história se pode voltar a repetir, mas os pilotos na luta pelo título preferem vencer “da forma correta”

Rita Meireles

Chris Graythen/Getty

Partilhar

O campeonato de Fórmula 1 continua este fim de semana, no México, e a luta pelo título está cada vez mais intensa. As batalhas entre Lewis Hamilton e Max Verstappen ao longo da temporada nem sempre correram da melhor forma, se recordarmos Monza ou Silverstone, e, no início da semana, Toto Wolff, chefe de equipa da Mercedes, considerou que os acidentes poderiam ter um papel decisivo na decisão do título.

“Se chegasse ao cenário da última corrida em Abu Dhabi e eles estivessem a correr um contra o outro pelo título, quem estiver na frente vai tentar fazer o mesmo que nos anos Senna-Prost", disse Wolff. "Se estás a correr pelo campeonato e o vês a desvanecer-se porque o outro piloto te está a ultrapassar, que ferramenta tens além daquela que garante que ele não pode ultrapassar?”

Já no México, Hamilton reagiu às declarações do chefe de equipa e não deixou dúvidas: “Nunca ganhei um campeonato dessa forma, nem nunca quero [vencer assim]. Estou aqui para ganhar da forma correta e isso é através de pura habilidade, determinação e trabalho árduo”.

O sete vezes campeão do mundo considera importante ganhar e perder “da forma correta”, algo que tem procurado fazer em todas as lutas pelo título que protagonizou.

“Vocês sabem como ganhei os meus campeonatos no passado. Quero sempre ganhar da maneira certa e se for para perder, é da maneira certa, com dignidade e sabendo que deste tudo de ti", afirmou Lewis aos jornalistas.

Verstappen também reagiu às declarações de Wolff e garantiu nem sequer pensar nas lutas entre rivais do passado ou na forma como chegaram à vitória.

“É o passado, eu apenas me concentro no que tenho de fazer na pista, em fazer o melhor que posso. É assim que se consegue ganhar o campeonato, obter o máximo de pontos disponíveis e tentar vencer o rival”, afirmou.

A cinco corridas no fim, Verstappen vai na frente com uma vantagem de 12 pontos. Hamilton está na luta pelo seu oitavo título mundial, enquanto que o piloto neerlandês procura vencer pela primeira vez.