Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Fórmula 1

Ainda o GP do Brasil: Mercedes pede revisão do incidente que levou à saída de pista de Hamilton e Verstappen

Apesar de Lewis Hamilton, publicamente, ter desvalorizado o episódio, dizendo que se tratou apenas de "uma dura batalha" por um lugar durante o Grande Prémio do Brasil, a Mercedes decidiu pedir a revisão do incidente em que o piloto inglês e Max Verstappen saíram de pista, quando o primeiro tentava ultrapassar o segundo

Lusa com Tribuna Expresso

Clive Mason - Formula 1

Partilhar

A Mercedes pediu uma revisão do incidente que envolveu o britânico Lewis Hamilton e o holandês Max Verstappen (Red Bull), no Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1, disputado no domingo, revelou a marca alemã.

Este pedido de revisão surge com base em "novas evidências que não estavam disponíveis para os comissários de corrida no momento da decisão".

“A Mercedes-AMG Petronas F1 Team confirma que solicitou hoje [terça-feira] um Direito de Revisão nos termos do Artigo 14.1.1 do Código Desportivo Internacional, em relação ao incidente na Curva 4 entre o Carro 44 e o Carro 33 na volta 48 do Grande Prémio do Brasil, com base em novas evidências indisponíveis para os comissários no momento de sua decisão”, indicou a Mercedes, em comunicado.

Verstappen foi atacado por Hamilton na curva quatro da 48.ª volta da corrida realizada em São Paulo, e defendeu-se, saindo para fora de pista com o britânico, que, mais tarde, aproveitou o DRS (sistema que permite ao carro que segue a menos de um segundo ganhar vantagem aerodinâmica nas retas) para chegar à liderança, que nunca mais perdeu.

Questionado, após a corrida, sobre o episódio, Lewis Hamilton não fez caso, comentando que "não [pensou] muito" sobre o assunto e apenas se tratou de uma "dura batalha" por um lugar em pista. "Não esperaria nada menos do que isso", acrescentou.

Após o momento caloroso, os comissários não consideraram necessário investigar o incidente, por se tratar de uma situação normal de corrida.

Posteriormente, o diretor da provas, Michael Masi, explicou que só mais tarde foi possível ter acesso a todas os vídeos, em particular às imagens filmadas a bordo do Red Bull, que poderiam culpabilizar o holandês, caso fosse possível descortinar um movimento intencional do volante na direção de Hamilton.

O sete vezes campeão do mundo ultrapassou o líder do campeonato na 59.ª das 71 voltas da corrida brasileira, terminando com o tempo de 1:32.22,851 horas no traçado de Interlagos, em São Paulo, deixando Verstappen no segundo lugar, a 10,496 segundos, e o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) no terceiro, a 13,576.

Com estes resultados, Hamilton recuperou sete pontos ao líder do campeonato, o holandês da Red Bull.

O Grande Prémio do Qatar, 20.ª e antepenúltima do campeonato, vai ser a próxima corrida do Mundial e está marcada para o próximo domingo.