Tribuna Expresso

Perfil

Futebol feminino

Elas também já estão de volta

A Liga BPI 2020/21 começa este fim de semana, com várias mudanças, depois de uma época que terminou a meio e sem campeãs, devido à covid-19

Mariana Cabral

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Ainda se lembra do que andava a fazer em 1993? Estas duas jogadoras que ocupam as colunas de opinião aqui ao lado (Matilde Fidalgo, jogadora do Benfica, e Mariana Rosa, jogadora do Sporting) ainda não tinham sequer nascido, já lá vão 27 anos, e a maioria dos adeptos em Portugal provavelmente nem sequer fazia a mínima ideia de que, então, estava a começar a ser disputado o primeiro Campeonato Nacional de futebol feminino (conquistado pelo Boavista, que ainda hoje mantém equipa), substituindo a Taça Nacional, prova mais reduzida que tinha começado em 1985.

Hoje, o futebol feminino em Portugal continua a ser jogado, mas agora por muito mais mulheres (já há cerca de 7 mil federadas), na Liga (entretanto já patrocinada pelo) BPI, e as condições já são outras: Benfica, Sporting e Sporting de Braga já têm equipas totalmente profissionais, havendo também outros clubes com jogadoras - portuguesas e estrangeiras - no mesmo patamar, ou, pelo menos, semiprofissionais, numa prova que, ainda assim, continua a ser considerada como amadora.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.