Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Billy Sharp: “gordo”, 32 anos, 220 golos e o recorde do século no futebol inglês

Com uma história marcada por um drama pessoal, a perda do filho recém-nascido por uma doença caracterizada pela má-formação fetal da parede abdominal, o britânico renova-se a cada temporada. Sharp começou o ano com o pé direito: tornou-se o maior goleador nas 4 primeiras divisões da Inglaterra

Carol Fontes

Billy Sharp

Nathan Stirk/Getty Images

Partilhar

“Eu sou apenas aquele rapaz gordo de Sheffield”. A frase traduz um pensamento simples que esconde um homem capaz de quebrar um recorde centenário. O britânico William Louis Sharp, mais conhecido como Billy Sharp, fez história ao alcançar os 220 golos em 496 jogos no Championship [segunda liga inglesa] e tornou-se o maior goleador do século XXI, contabilizando as quatro divisões do campeonato. No 1.º dia do ano, o avançado de 32 anos marcou o último da vitória do Sheffield United sobre o Wigan Athletic por 3-0. Com este feito, Billy ultrapassou a marca de Rickie Lambert, ex-jogador do Southampton, Liverpool e da seleção inglesa.

“Foi uma grande conquista. O Rickie (Lambert) foi um grande goleador, então, foi bom finalmente alcançá-lo. Espero continuar a marcar golos para que ninguém possa me alcançar”, disse Billy Sharp à BBC após a vitória que abriu o ano de 2019 com o pé direito.

Se o próprio admite alguns quilos extras, 70kg distribuídos por 1,75m de altura, em campo, o peso é outro. Pesa sobre os adversários. E balançou 16 vezes as redes a favor do seu clube de sempre, o Sheffield, nesta temporada, colocando a sua equipa em terceiro lugar no Championship –melhor do que tudo, ainda tem alguns anos para ampliar o recorde.

Quem é Billy

Natural de Sheffield, o avançado foi revelado pelo United em 2004 e faz a sua terceira passagem pelo clube. Billy defendeu as cores do Rushden & Diamonds, Scunthorpe United, Southampton, Nottingham Forest, Reading, Doncaster Rovers e Leeds United, mas colheu a glória na sua cidade natal. O trabalho foi árduo e demorou a surtir efeito: saiu das categorias de base de sua atual equipa, foi vendido duas vezes pelo clube pelo qual torceu desde a sua infância até voltar a atual pelo Sheffield pela terceira vez. Ele renovou o seu contrato em julho do ano passado e ficará até o fim de junho de 2019. O sonho, agora, é representar o clube do coração na Premier League.

Drama pessoal

Apesar do recorde obtido na última terça-feira, nem tudo são flores na vida do camisola 10 do Sheffield. O seu primeiro filho, Luey Jacob, morreu de gastrosquise dois dias depois de nascer. O facto deu notoriedade ao jogador no meio do desporto, principalmente, depois de uma reação impressionante de Sharp nos relvados: três dias após a morte do filho, em 2011, ele quis jogar - na época, pelo Doncaster Rovers - e ainda marcou um golo para abrir o placar contra o Middlesbrough. Comemorou ao revelar a mensagem debaixo da camisola: “Este foi para ti, filho”. Cinco dias depois, foi aplaudido de pé pela claque rival ao fazer mais um golo fora de casa, em Ipswich, na Inglaterra. Os adeptos da outra equipa cantaram o nome de Luey, e o coro foi apoiado pelos adeptos do Sheffield, mas, por mais cruel que pareça, Sharp já sofreu alguns ataques relacionados à sua tragédia dentro e fora de campo. Frases como “filho morto” nas redes sociais e até uma canção relembrando o drama familiar foram ecoados nas arquibancadas.

Nada que atrapalhe o desempenho do jogador de Sheffield. Dentro e fora do campo.

Ao lado da mulher, Jade Fair, Billy Sharp fundou a “The Luey Jacob Sharp Foundation”, instituição de caridade que pesquisa a gastrosquise e ajuda pessoas afetadas por esta condição. A doença caracteriza-se por uma má-formação congénita da parede abdominal e faz as vísceras abdominais, como o estômago e intestino, saírem por uma abertura, geralmente, à direita do umbigo, na junção da cicatriz umbilical com a pele. Afeta cerca de 3 mil bebés no Reino Unido.

Em dezembro de 2012, o casal deu à luz o segundo filho, Leo. O terceiro, Milo Thomas, nasceu três anos depois, também em dezembro.

É feliz.

Billy Sharp

Billy Sharp

Stephen Pond/Getty Images