Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

“Pensei que era o meu telemóvel a queimar, saí correndo, não deu para ajudar”: o dia em que o Flamengo viu 7 dos seus morrerem

Jogadores da formação do clube carioca relatam o que viram durante o incêndio e como conseguiram escapar com vida. Já são conhecidos os nomes dos sete atletas falecidos durante o incêndio. Há mais três vítimas

Zuba Ortiz

CARL DE SOUZA

Partilhar

O Centro de Treinos das equipas de formação do Flamengo sofreu um incêndio que vitimou pelo menos 10 pessoas. Entre elas, 7 jogadores e 3 funcionários do clube. Estes são os nomes deles: os guarda-redes Christian Esmério (15 anos) e Bernando Pisetta (15 anos); os centrais Pablo Henrique (14 anos) e Arthur Vinícius (14 anos), Athila Paixão (14 anos), avançado Vitor Isaías (14 anos) e Jorge Eduardo (15 anos).

Também estava no local o médio Felipe Cardoso, da equipa sub-17, que confirmou que o incêndio começou no seu quarto, no ar condicionado.

Já o avançado da equipa sub-17, Samuel, contou na sua conta nas redes sociais que viu a explosão e ouviu gritos de socorro no Ninho do Urubu. “Estava dormindo na hora e senti um cheiro de queimado muito forte, pensei que era meu celular tivesse queimado. Quando fui ver, vi aquela explosão, veio fumaça no meu olho.... Sai correndo. Não deu para ajudar”, contou o jovem de 16 anos.

Samuel contou ainda que conseguiu sair antes do quarto ser atingido pelo incêndio. Ele dividia quarto com o médio Riquelme, de 17 anos.

Outro sobrevivente da tragédia foi Ryan Matheus, 15 anos, que decidiu dormir em casa e não passou a noite no Centro de Treinos. O jovem ficou sabendo que não haveria treino nesta sexta-feira e decidiu ir para casa da mãe. O jogador disse que a mãe não foi a favor, devido ao horário.

Em entrevista à CBN Amazônia, o médio afirmou “ainda não sei nem o nome das vítimas, isso que está a preocupar-me bastante. A gente liga, manda mensagem, mas ninguém responde”, afirmou. O jovem ainda contou sobre o dia-a-dia no Centro de Treinamentos: “Treinamos de manhã, almoçamos a tarde, vamos para a escola e ficamos livres à noite. A ficha ainda não caiu”, completou.

Depois da entrevista, o médio fez uma publicação na sua conta agradecendo por ter sobrevivido e lamentando a ausência dos companheiros de equipa.

Instagram