Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

As prováveis festas do PSG e da Juventus (e outras considerações sobre o fim de semana que aí vem)

Italianos e franceses podem festejar já no fim de semana, mas há muito por decidir por toda a Europa. Este é o ponto de situação de cada campeonato, e as implicações nas próximas edições da Liga dos Campeões e Liga Europa. Venha daí

Luís Mateus

TF-Images

Partilhar

A Juventus está a um ponto do oitavo campeonato consecutivo, o 35.º no total, que pode garantir já em Ferrara, no sábado, frente à SPAL. À distância de um empate está também a consagração dos parisienses, que visitam o Lille, segundo classificado, no domingo. Poderiam ser sete títulos e não dois de seguida para o clube liderado pelo qatari Nasser Al-Khelaifi, não fosse o Monaco de Leonardo Jardim ter surpreendido toda a gente em 2016-17. Será, sim, o oitavo no total para o PSG, que iguala Monaco e Nantes, e fica a um do Marselha e a dois do Saint Étienne, os mais titulados.

Em Itália, joga-se a 32.ª de 38 jornadas. Além de dia de decisões para a Juve, que tem lugar Champions assegurado, o Chievo também pode descer de forma matemática. Basta não pontuar na receção ao Nápoles, segundo classificado. O emblema do antigo jogador do Sporting Ezequiel Schelotto está há 11 temporadas seguidas no primeiro escalão, mas parece condenado. Frosinone e Empoli ocupam provisoriamente os outros dois lugares de descida, mas, na realidade, há muitos mais ainda inseguros.

Na Serie, B ainda não há promovidos à vista, com Brescia e Lecce atualmente nos lugares que valem subida. A final da Taça ainda está distante, faltando a realização da 2ª mão das meias-finais, a 24 e 25 deste mês: Milan-Lazio (0-0 em Roma) e Atalanta-Fiorentina (3-3 em Florença).

Ronaldo está na luta pelo troféu de capocannoniere, o melhor marcador, com 19 golos, menos um que Zapata (Atalanta) e dois que Piatek, o fenómeno polaco que o Milan resgatou em Génova, e Quagliarella (Sampdoria). O capitão da Seleção soma 8 assistências, tal como os espanhóis Suso (Milan) e Callejón (Nápoles), e está a uma dos líderes Papu Gómez (Atalanta) e Mertens (Nápoles).

A Itália é um dos quatro países (a par de Inglaterra, Alemanha e Espanha) com quatro entradas automáticas na fase de grupos da Liga dos Campeões e outras duas na Liga Europa, com possibilidade de uma terceira, via pré-eliminatórias.

Lille, desmancha-prazeres?

Xavier Laine

Em Lille, um segundo classificado recheado de jogadores portugueses – os irmãos Fonte, Xeka e Rafael Leão –, tentará evitar que os festejos comecem no seu estádio. O PSG apresenta-se ainda com um jogo em atraso, da 28ª jornada, frente ao Nantes, que cumprirá no dia 17.

Tudo em aberto nas restantes posições, com Caen e Guingamp ameaçados com descida direta e o Dijon por uma liguilha com uma equipa da Ligue 2 (Paris FC, Lorient e Troyes são as equipas provisoriamente nessa posição, no segundo escalão). No entanto, também aqui há muitas equipas que ainda não salvaguardaram a permanência. A Ligue 2 é liderada por Metz e Brest, em posição de promoção direta para já.

PSG e Rennes disputarão no dia 27 a final da Taça. Em caso de triunfo, os primeiros libertam vaga para a Liga Europa. Já garantido está o Estrasburgo, depois da conquista da Taça da Liga.

França elege, tal como a Rússia, duas entradas diretas na Liga dos Campeões, com a possibilidade de uma terceira, através da fase de qualificação. Além disso, tem direito a duas vagas na fase de grupos da Liga Europa, e também aqui com possibilidade de uma terceira, caso ultrapasse as pré-eliminatórias.

No topo dos melhores marcadores, Mbappé tem feito uma temporada extraordinária, com 27 golos (1 de penálti), mais 9 do que Nicolás Pépé, do Lille, que tem 8 dos 11 metros. Cavani, com 17, fecha o pódio. Di María, também do PSG, é o líder das assistências, com 10. Kenny Lala, lateral do Estrasburgo, Pépé e Savanier (Nîmes) somam 9.

Se Itália e França estão perto das primeiras decisões, ainda estamos perante um longo dominó que vai demorar a mostrar-nos o desenho final.

Bayern a confirmar a viragem

TF-Images

A goleada no “Der Klassiker” virou de novo a Bundesliga a favor do Bayern, agora com um ponto de vantagem e 15 golos à maior – primeiro critério de desempate – sobre o Borussia Dortmund. A seis jornadas do fim, o grande perigo para o conjunto de Niko Kovac poderá estar na penúltima ronda na visita a Leipzig, atualmente 3.º. No entanto, também é verdade que a atual forma dos homens de Lucien Favre não garante infalibilidade até final.

Vida complicada para Hannover e Nuremberga, nos lugares de descida, e para o Estugarda, em posição de «play-off» de permanência. No entanto, até ao 10.º posto da tabela há muito emblema ainda não a salvo de complicações.

Na Bundesliga 2, Colónia e Hamburgo dão sinais de poderem estar de regresso ao primeiro escalão, ocupando lugares de promoção, mas também aqui as decisões vão demorar algum tempo mais.

Ainda se disputam igualmente as meias-finais da Taça, que terão lugar a 23 e 24 de abril, e terão frente a frente Hamburgo e RB Leipzig, e Werder Bremen e Bayern.

Robert Lewandowski é o melhor marcador com 21 golos, mais quatro do que Jovic, avançado emprestado pelo Benfica ao Eintracht. Paco Alcácer, do Dortmund, leva 16, os mesmos que Kramaric, do Hoffenheim, o companheiro de equipa Reus e Poulsen, do RB Leipzig. Jadon Sancho, do Dortmund, é o jogador com mais assistências: 13. Seguem-se Brandt (Bayer Leverkusen) e Kimmich (Bayerm), ambos com 10.

Luta titânica em Inglaterra

Laurence Griffiths

Liverpool e Manchester City estão, respetivamente, a um ponto e a uma vitória de garantirem o 2ª lugar como mínimo. A luta pelo título está ao rubro, e a vantagem dos «Reds», de apenas dois pontos, pode ser anulada assim que os «Cityzens» acertem calendário: há um dérbi em atraso, remarcado para dia 24, em Old Trafford. A equipa de Pep Guardiola ainda está na corrida para o «quádruplo»: campeonato, taça, taça da liga e Liga dos Campeões, já depois de ter vencido a Charity Shield.

Huddersfield e Fulham estão oficialmente despromovidos, e o Cardiff em risco, a 5 pontos de Brighton e Southampton. A equipa do West Yorkshire resistiu apenas duas épocas no escalão principal. Já os «Cottagers» tinham regressado este ano ao convívio dos grandes. Investiram 112 milhões em jogadores, mais do dobro dos «Terriers», mas fracassaram.

No Championship, o líder Norwich, do português Ivo Pinto, o Leeds, de Marcelo Bielsa, e o Sheffield United são os únicos com lugar entre os seis primeiros já garantido. No mínimo irão ao «play-off» de promoção.

Kun Agüero, do Manchester City, é o melhor marcador da Premier League, com 19 golos, mais um do que Salah (Liverpool), e dois do que Aubameyang (Arsenal), Kane (Tottenham) e Mané (Liverpool). Eden Hazard (Chelsea) lidera o

top das assistências com 12, mais uma do que Eriksen (Tottenham), e duas do que Ryan Fraser (Bournemouth).

Barcelona a caminho do bis

Alex Livesey - Danehouse

Embora sem deslumbrar, o Barcelona ainda pode ganhar tudo. O título chegará mais cedo ou mais tarde – 11 pontos de avanço sobre o Atlético Madrid, com 21 em aberto – e já tem assegurada a presença na final da Taça do Rei, no dia 24 de maio, frente ao Valencia.

Huesca, Rayo Vallecano e Villarreal são, por enquanto, as equipas mais próximas da descida. Osasuna e Granada lideram a segunda liga e podem estar a caminho do regresso.

Lionel Messi lidera nos golos (33) e nas assistências (12). O colega de equipa Luis Suárez (20), Stuani (18), do Girona, e Benzema (17), do Real Madrid, seguem-no na tabela dos melhores marcadores. Sarabia (10), do Sevilha, e Jony (9), do Alavés, são os que mais se aproximam nos passes decisivos.

Campeões e com entrada direta na Champions

Epsilon

O Zenit lidera na Rússia, com Krasnodar e CSKA por perto, mas ainda a várias semanas de uma conclusão. Os dois rivais foram já afastados na Taça, que entra agora na 2ª mão das meias-finais: Arsenal Tula-Ural (0-1) e Rostov-Lokomotiv (2-2). Os russos podem aspirar a ter três formações na próxima Liga dos Campeões: duas desde logo nos grupos e uma outra na 3ª pré-eliminatória O vencedor da Taça entra na Liga Europa, já o 4.º e 5.º classificados partem da qualificação.

Tal como acontece com Portugal, também Ucrânia, Bélgica e Turquia dispõem de uma equipa nos grupos da Champions e outra na mesma fase da Liga Europa. Esta última será em princípio o vencedor da Taça. Uma segunda equipa partirá na 3.ª pré-eliminatória – 2.ª no caso dos turcos – da prova milionária. No que diz respeito à segunda competição da UEFA, além da entrada direita, haverá para cada um destes quatro países, uma equipa a partir da 2ª pré-eliminatória e outra da 3ª.

Na Ucrânia, começou a fase de apuramento de campeão. A nove rondas do fim, o Shakhtar, de Paulo Fonseca, lidera com mais 7 pontos do que o Dínamo Kiev. O treinador português pode ainda conseguir a dobradinha, tendo pela frente o Dnipro nas meias-finais, com o outro encontro a opor o Inhulets ao Zorya Luhansk. Os jogos são a meio da próxima semana, com a final agendada para 14 de maio.

Também na Bélgica já se entrou na última fase. A sete jogos do final, o Genk lidera, com o Club Brugge bem próximo. Um ponto separa os dois conjuntos, que se defrontam durante a tarde de domingo no Luminus Arena. Na Taça, frente a frente, a 1 de maio, irão estar Gent e KV Mechelen, do segundo escalão. Daqui sairá o primeiro representante na fase de grupos da Liga Europa.

A Turquia, 10.ª classificada no ranking da UEFA, é a última que tem direito a campeão com entrada direta na Champions. O Basaksehir, que lidera, já garantiu lugar europeu, mas ainda está longe de poder festejar o título. Tem 6 pontos de avanço sobre o Galatasaray com 21 ainda em aberto. Besiktas e Trabzonspor ocupam lugares de Liga Europa, e o Fenerbahçe é destaque pela negativa, no 13.º lugar, 5 pontos apenas acima das posições de descida. No dia 25, conhecem-se os finalistas da Taça. O Galatasaray visita o Yeni Matalyaspor, depois de um nulo em Istambul, um dia depois de o Akhisar defender em casa a vantagem (1-0) conquistada no reduto do Umraniyespor.

Sem entrada direta na prova milionária, mas com o título nacional como incentivo estão Holanda e Grécia. Ajax e PSV prometem luta até final pelo título, que garante presença na terceira pré-eliminatória da rota dos campeões na Champions. O vencido terá de trilhar a rota dos não-campeões a partir da segunda pré-eliminatória. Os de Amesterdão têm ainda final da Taça agendada com o Willem II. Dez pontos separam o PAOK de Vieirinha e Sérgio Oliveira e o Olympiakos de Pedro Martins, José Sá, Roderick, Podence e Gil Dias. Os de Salónica parecem a caminho do terceiro título, o primeiro desde 1984-95, e até de uma inédita dobradinha, com uma possível final com o AEK no horizonte.

E o primeiro a festejar em 2019

O Maccabi Telaviv, do defesa português Jair Amador, já conquistou o título de Israel, o primeiro em quatro temporadas, e 23º no total. A 15 de maio encontrar-se-á o vencedor da Taça, num encontro entre o Maccabi Netanya e o Bnei Yehuda.