Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Mkhitaryan a jogar a final da Liga Europa? É complicado. E nada tem a ver com futebol

O jogador do Arsenal nasceu na Arménia, a final joga-se no Azerbaijão e os dois países não têm relações diplomáticas devido à disputa do território de Nagorno-Karabakh. UEFA vai ajudar no pedido de visto, mas cabe ao governo de Baku a decisão de deixar o médio entrar ou não no Azerbaijão

Tribuna Expresso

NurPhoto/Getty

Partilhar

Conseguir no campo a oportunidade de jogar uma final da Liga Europa não significa necessariamente jogá-la. E no caso de Henrikh Mkhitaryan nada tem a ver com lesões ou momento de forma. Apenas por ter nascido arménio.

Tudo porque o jogo que vai definir o vencedor da segunda prova da UEFA, entre o Arsenal e o Chelsea, vai disputar-se em Baku, capital do Azerbaijão, país que tem relações cortadas com a Arménia devido à disputa do território de Nagorno-Karabakh, enclave situado em território azeri, mas de maioria arménia, pelo que é disputado pelos dois países.

Entre 1988 os dois países entraram em guerra pelo território e, apesar do cessar-fogo assinado em 1994, continuam a existir conflitos nas zonas fronteiriças do enclave, que aumentaram de grado em abril de 2016, durante a chamada Guerra dos Quatro Dias. O conflito obrigou à deslocação de centenas de milhares de pessoas e nenhum cidadão da Arménia está autorizado a entrar no Azerbaijão.

É aqui que a vida se complica para Mkhitaryan, o mais mediático jogador da Arménia e que já este ano não fez parte da convocatória do Arsenal para jogar com o Qarabag em Baku - o Qarabag, curiosamente, é um clube com origem em Agdam, cidade em Nagorno-Karabakh, abandonada devido ao conflito.

Em outubro, antes da deslocação do Arsenal a Baku, Unai Emery, treinador dos londrinos, revelou que o jogador arménio “não podia viajar para o Azerbaijão”, questão que foi disputada pelo treinador do Qarabag, Gurban Gurbanov. “Se o Henrikh Mkhitaryan vier ao Azerbaijão não seria a primeira vez. Há muitos desportistas arménios que já vieram ao Azerbaijão e é uma escolha do Arsenal não o trazer”, sublinhou o técnico, acusando na altura o jogador de não querer lidar com “a pressão de jogar em frente a 60 mil azeris”.

De acordo com a imprensa britânica, o Arsenal terá evitado a viagem do seu jogador por temer pela sua segurança.

Existe uma exceção na proibição de entrada de cidadãos arménios no Azerbaijão precisamente para atletas de alta competição e a UEFA deverá entrar em campo para ajudar o Arsenal a conseguir visto para Mkhitaryan. Contudo, de acordo com a BBC, a decisão final será sempre do governo do Azerbaijão, pelo que não há garantias que o médio possa sequer viajar para a final de dia 29, no Estádio Olímpico de Baku.

Já em 2015, Mkhitaryan, na altura no Borussia Dortmund, falhou uma deslocação ao Azerbaijão para jogar frente ao Qabala, por problemas na obtenção de visto.