Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Fiorentina não tem os pés de antigamente mas tem novas mãos: dono do New York Cosmos compra clube de Florença

“Haverá uma tremenda quantidade de esforço, trabalho, paixão e dinheiro para que a época que vem seja melhor do que o ano passado”, prometeu Rocco Commisso, o bilionário que é dono do New York Cosmos e que acaba de comprar a Fiorentina por 170 milhões de euros

Hugo Tavares da Silva

Gabriele Maltinti

Partilhar

Ah, os tempos modernos: clubes a saltar de mãos a troco de um saco pesado com dinheiro. Ou, para ficarmos mais perto da verdade, 170 milhões de euros. Era preciso o universo estar mal disposto e o futebol ser caprichoso-maldoso para a Fiorentina cair para a Serie B na última jornada. Apesar de tudo, das escolhas de Stefano Pioli (substituído por Vicenzo Montella) e do futebol desconcertante, não caiu. Mas a insatisfação das suas gentes, que em tempos idos enviaram cocktails molotov e tijolos contra a sede pela venda de um tal de Roberto Baggio, manteve-se. Os irmãos Della Valle, que levantaram o clube de Florença depois da bancarrota no início do século, decidiram que era o momento para dizer arrivederci.

Entra em cena Rocco B. Commisso, de 69 anos, que esta tarde já se mostrou aos adeptos, com uma gravata viola e um italiano enferrujado. O bilionário nasceu no Sul de Itália e mudou-se para os Estados Unidos aos 12 anos. É o patrão da Mediacom, uma das maiores empresas de serviços de cabo nos EUA, e do New York Cosmos, um clube que é sempre recordado pelas passagens de futebolistas especiais como Pelé, Franz Beckenbauer e Carlos Alberto no final dos anos 70.

Gabriele Maltinti

Os tiffosi queriam ser seduzidos, ouvir cartas de amor a Batistuta ou Antognoni, quem sabe, e escutar promessas de contratações ruidosas, ou até beber uma ou outra palavra maldosa contra a Juventus, mas ele, em inglês, serenou as coisas: “Venho para ser amigo de todos.” Mas, porque o “Rocco não mente”, denunciou-se quando referiu que cresceu a ver rapazes como Sivori, Stacchini, Boniperti, etc. Todos da Juve...

Calafrio lá para trás, o que aquela gente queria ouvir mesmo é que Federico Chiesa, que alguns já dão como certo na Juve, fica no clube. É um trauma dos adeptos do clube, que há muitos anos discutiu um ou outro campeonato contra o gigante de Turim, que vão vendo escapar homens como Baggio, Bernardeschi e Cuadrado para o outro lado da barricada. Uma coisa é certa para este empresário: “O campeonato italiano não é bom quando apenas uma equipa vence”. Talvez isso seja uma sugestão de que Commisso não tenciona ver a Juve ainda mais forte com a prata da casa.

Pediram-lhe que esticasse o cachecol que se agarrava ao pescoço e levava o nome do clube e, eufóricos, lá lhe cantaram um pedaço do hino:

Garrisca al vento il labaro Viola,
sui campi della sfida e del valor,
una speranza viva ci consola,
abbiamo undici atleti e un solo cuore:
Oh, Fiorentina,
di ogni squadra ti vogliam regina,
oh, Fiorentina,
combatti ovunque ardita e con valor

“Haverá uma tremenda quantidade de esforço, trabalho, paixão e dinheiro para que a época que vem seja melhor do que o ano passado”, garantiu há dias, conta o “New York Times”. Mas não vale a pena julgar que está aqui um amor em potência ou que até se trata de uma missão de resgate, já que apenas aconteceu porque no ano passado o empresário falhou a compra do AC Milan.

Larry Busacca

Rocco Commisso explicou esta decisão há uns dias. “O facto de ter nascido em Itália, do meu amor pelo futebol italiano e por tudo o que o futebol fez por mim, eu quis comprar uma equipa de qualidade aqui e estou muito orgulhoso, feliz e honrado por ter comprado a Fiorentina, um clube que tem grandes tradições.”

A Fiorentina, que teve a melhor fase nos últimos tempos com Paulo Sousa, não conquista um troféu desde 2001, uma Coppa que se mudou para Florença graças a um remate certeiro de Nuno Gomes ao Parma. Vicenzo Montella é o atual treinador, substituindo Pioli durante a temporada. O ex-avançado da Roma já tinha treinado a Fiorentina, conseguindo terminar três vezes na quarta posição, que na altura garantiu apenas a Liga Europa.