Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Bem-vindos ao novo mundo de Maradona em La Plata, na Argentina

Pegou no microfone, liderou cânticos com os adeptos e chorou à frente de um estádio cheio. Diego Armando Maradona está de volta ao trabalho e foi apresentado como o novo técnico do Gimnasia, último classificado do campeonato argentino

Tribuna Expresso

Partilhar

Teve que entrar no estádio sentado, à boleia de um carro-maca porque, há tempos, foi operado a um joelho e caminhar ainda lhe custa. Como custoso foi escutar, com atenção, o que disse ao microfone, já no centro do relvado, pois os adeptos presentes no Juan Carmelo Zerillo transformaram o estádio numa fortaleza de ruído em prol de um homem.

Diego Armando Maradona chegou a La Plata, a quarta maior cidade da Argentina onde joga o último classificado do campeonato do país onde o homem endeusado não treinava desde 1996.

Ele regressou, primeiro e como se viu, para rejuvenescer o alento das pessoas que seguem o Gimnasia, enlouquecidas no ruído com que brindaram o capitão da seleção que conquistou o último Campeonato do Mundo (1986) para a Argentina. "Que os meus jogadores se matem por esta gente. Não vou faltar a nenhum treino. Aqui é para treinar e quem não se entregar não joga. Quem não correr, não joga", disse, no relvado.

Vestido com um fato de treino do clube e com um boné a assentar-lhe na cabeça, Maradona deu ordens aos novos jogadores, abraçou-os no final e ouviu os adeptos a gritarem, às tantas, para também saudarem o mais icónico momento e jogo que Diego protagonizou, já lá vão os anos: "Quem não salta é inglês, olé, olé!".

O último clube treinado por Maradona foi o Dorados, da segunda divisão do México, na época passada. Antes, passou quatro temporadas nos Emirados Árabes Unidos (repartidos pelo Al Wasl e o Al-Furaijah). Em 2010, levou a Argentina ao Mundial.