Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Barcelona torna-se o clube de futebol mais rico do mundo pela primeira vez

O clube catalão ultrapassou o rival espanhol Real Madrid em termos de receitas, de acordo com a “Liga do Dinheiro” da Deloitte, que anualmente elenca as equipas mais bem pagas do mundo. Benfica lidera entre clubes portugueses

Hélder Gomes e Lusa

Soccrates Images

Partilhar

O FC Barcelona tornou-se, pela primeira vez, o clube de futebol mais rico do mundo graças a mudanças recentes na comercialização do merchandising que lhe proporcionaram uma vantagem financeira sobre as outras equipas.

O clube catalão ultrapassou o rival espanhol Real Madrid em termos de receitas, de acordo com a “Liga do Dinheiro” da Deloitte, que anualmente elenca as equipas mais bem pagas do mundo, noticia o jornal “Financial Times” (FT).

Os clubes mais ricos estão concentrados nas cinco grandes ligas europeias (Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália e França), onde as competições domésticas de primeira linha recebem milhares de milhões de euros em direitos de transmissão.

Como uma das equipas com melhor desempenho em Espanha e na Europa, o Barcelona tem sido um dos maiores beneficiários desses direitos e tem figurado regularmente entre os clubes mais lucrativos do mundo, prossegue o FT.

A importância da Barça Licensing & Merchandising

No entanto, durante a temporada 2018/19, novas atividades comerciais permitiram-lhe ganhar €840,8 milhões de euros, cerca de 150 milhões a mais do que em igual período do ano anterior e €83,5 milhões a mais do que o Real Madrid. Trata-se da maior diferença entre os dois clubes desde que a Deloitte começou a sua “Liga do Dinheiro”.

Em 2018, o Barcelona formou a Barça Licensing & Merchandising, que assumiu o controlo de áreas como o retalho e a venda de t-shirts do clube em todo o mundo. A maioria dos outros clubes depende de terceiros para conduzir estas operações.

“Isto mostra confiança e maturidade, que [o Barcelona] vê claramente a sua marca como muito importante e irá assumir o seu controlo em todos os aspetos e impulsioná-la”, destacou Dan Jones, presidente do Sports Business Group da Deloitte, citado pelo FT.

O caso português

De acordo com a edição anual do ‘Football Money League’, o Benfica subiu seis lugares neste ‘ranking’, ao registar 197,7 milhões de euros (ME) em receitas, numa época em que reconquistou o título de campeão nacional e chegou aos quartos de final da Liga Europa, depois de ter ‘caído’ na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Com uma receita calculada em 176,2 ME, o FC Porto, vice-campeão nacional e que chegou aos ‘quartos’ da ‘Champions’, ocupa o 29.º lugar, numa lista em que apenas os dois emblemas portugueses, os holandeses do Ajax (23.º com 199,4 ME) e os russos do Zenit São Petersburgo (28.º com 180,3 ME) se intrometem entre os representantes das cinco principais ligas da Europa.

  • Dentro da cabeça de Setién, o novo treinador do colosso da Catalunha

    Futebol internacional

    Disse, há não muito tempo, que teria cortado o dedo mindinho para jogar no Barça de Johan Cruyff que instituiu uma forma de jogar com a bola no centro de tudo. Quique Setién ganhou apenas um título da Segunda Divisão B espanhola, mas treina equipas que arriscam com bola, a têm muito tempo e a jogam de trás e pela relva. Aos 61 anos, é o novo treinador do Barcelona e em vez de lhe contarmos quem é, sugerimos que o leia