Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Covid-19. Real Madrid também corta nos salários. Mas pouco

Jogadores, treinadores e dirigente das equipas principais de futebol e basquetebol aceitaram "voluntariamente" uma redução nos salários entre 10% e 20%. Clube diz que decisão "evita medidas traumáticas que afetem o resto dos trabalhadores"

Lídia Paralta Gomes

Barcroft Media/Getty

Partilhar

O Real Madrid anunciou de forma oficial que jogadores, treinadores e os principais dirigentes das equipas de futebol e basquetebol aceitaram "voluntariamente" reduções no salário entre 10% e 20% durante a pandemia da covid-19.

"Esta decisão, que foi aceite por jogadores, treinadores e funcionários, evita medidas traumáticas que afetem o resto dos trabalhadores, para lá de contribuir com os objetivos económicos da entidade face à diminuição das receitas que o clube tem sofrido como consequência da suspensão das competições e da paralisação de grande parte das suas atividades comerciais", revela o clube numa nota oficial publicada no seu site oficial.

O Real Madrid opta assim por uma solução diferente de clubes como o Barcelona, Espanyol ou Sevilha, que avançaram para lay-off. No Barcelona, por exemplo, a redução de salários do plantel principal anda à volta dos 70%.

Em plena crise da covid-19, há um golpe palaciano a acontecer no Barcelona

A entrar no último ano de mandato, o presidente Josep Maria Bartomeu iniciou uma verdadeira purga na direção, ao tentar afastar alguns elementos que já lhe foram próximos, mas que entretanto se tornaram críticos. Um deles é Emili Rousaud, o homem que todos viam como próximo presidente do clube