Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

A UEFA enviou "recomendação" para que as ligas acabem esta época, mas a Holanda proibiu que se jogue futebol até setembro

Esta terça-feira, a UEFA enviou "uma recomendação forte" aos 55 membros para que os campeonatos nacionais sejam terminados esta época. Horas depois, o governo holandês impôs que não se jogue futebol no país até 1 de setembro. No seguimento da decisão, a federação local pretende que "não se jogue mais a época 2019/20" e vai consultar a UEFA

Diogo Pombo

Soccrates Images

Partilhar

O comunicado é curto, são nove linhas, e as informações deitadas cá para fora também não são vastas. A UEFA deu conta que reuniu, por teleconferência, com os responsáveis das 55 federações de futebol que a integram, informando-as da "variedade de opções de calendário" para reagendar os jogos de clubes e seleções que se encontram suspensos devido à crise da covid-19. Sem mais delongas, a entidade revelou que deixou "uma recomendação forte para que se acabem os campeonatos nacionais da primeira divisão" e as competições de taça.

Passam umas quantas horas e Mark Rutte, primeiro-ministro holandês, comunica ao país uma série de decisões, uma delas a de manter a suspensão, até 1 de setembro, de quaisquer eventos no país que precisam de uma licença para ocorrer. Entre esses eventos estão os jogos de futebol, o que implica uma colisão com o que a UEFA quer e recomenda, mas não tem poder ou soberania para impor.

Reagindo às medidas do governo, a Federação Holandesa de Futebol (KNVB) revelou que apoia a decisão, explicando que "pretende não continuar a jogar a época de 2019/20" - deixando assim por escrito uma intenção contrária à da entidade que rege o futebol europeu. Mas não se trata de algo definitivo, antes de uma pretensão. "Com base da decisão de hoje [terça-feira] do governo, a KNVB vai consultar com a UEFA e só depois tomará uma decisão", lê-se no comunicado da federação.

Haverá, na sexta-feira, uma reunião entre a KNVB e os clubes holandeses, numa altura em que, em teoria, a federação já terá resolvido o assunto com a UEFA, que antecipou na sua comunicação que "poderá haver alguns casos especiais". Eis o primeiro a surgir.

Na segunda-feira, Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, garantira que as ligas europeias estavam prontas para retomar a competição. "É cedo para dizermos que não podemos acabar a temporada. O impacto seria terrível para os clubes e Ligas. Podemos terminar, mas devemos respeitar as decisões das autoridades e esperar pela autorização para voltar a jogar", defendeu, numa entrevista ao "Corriere della Sera".

Em Portugal, a Liga apresentou aos clubes, no início deste mês, um plano para, idealmente, retomar os campeonatos das duas principais divisões de futebol no final de maio, apontando o dia 30 como possível data para retomar, oficialmente, a competição. O plano seria acabar as provas em meados de julho. Restam 10 jornadas por realizar na primeira e segunda ligas, além da final da Taça de Portugal.

Futebol só com lugares cativos distribuídos pelo estádio? Possível, mas muito complicado

António Costa referiu no sábado, em entrevista ao <strong>Expresso</strong>, que o regresso do futebol pode ser feito "totalmente à porta fechada" ou com adeptos distribuídos pelas bancadas. De FC Porto, Sporting e Benfica chegam, essencialmente, reações de cautela. Logisticamente, a operação seria complexa