Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Chiellini diz que Balotelli "merecia uma chapada" e que Felipe Melo é "uma maçã podre". E os dois dizem que Chiellini é "cobarde"

A autobiografia do central da Juventus só é lançada na terça-feira, mas as palavras duas que tem contra os dois colegas já fazem mossa. Em entrevista ao "La Repubblica", Chiellini confirmou as críticas e do outro lado houve contra-ataque

Tribuna Expresso

GIUSEPPE CACACE/Getty

Partilhar

A autobiografia de Giorgio Chiellini ainda nem está nas bancas e já é o assunto mais comentado do futebol italiano. O capitão da Juventus concedeu uma entrevista ao diário "La Repubblica" para promover o livro e aproveitou para levantar o véu sobre alguns dos temas mais controversos. E sem problemas apontou o dedo a Mario Balotelli e Felipe Melo como os dois jogadores que mais o tiraram do sério ao longo da sua carreira.

"Confirmo tudo o que digo na minha biografia. Fiquei muito desiludido com dois jogadores", disse o central de 35 anos. No livro, Chiellini escreve que "Balotelli é uma pessoa negativa, sem respeito pelo grupo. Durante a Taça das Confederações de 2013, contra o Brasil, não ajudou ninguém. Merecia ter levado uma chapada. Para muita gente, ele podia ser um dos melhores cinco jogadores do Mundo. Eu nunca acreditei que ele alguma vez pudesse estar entre os 10 ou 20 melhores".

Mas pior que Balotelli é Felipe Melo, pelo menos a avaliar pelas palavras duras de Chiellini que jogou com o brasileiro na Juventus: "É o pior de todos. Não consigo lidar com pessoas que não respeitam ninguém. Com ele estávamos sempre em risco de ter problemas e avisei a direção do clube disso mesmo. É uma maçã podre".

Na entrevista, Chiellini diz que não guarda rancor aos colegas, mas que foram os únicos que "ultrapassaram os limites do razoável".

O central fala ainda da antipatia que tinha por Gonzalo Higuaín quando este era seu adversário, algo que passou quando se tornaram colegas de equipa. "Eu odiava o Higuaín quando ele era meu adversário. Mas ele surpreendeu-me. Os avançados normalmente são egoístas, trabalham só para eles, mas ele tem um lado generoso e brincalhão. É um rapaz muito exigente, é preciso cuidar dele, estimulá-lo. Ele precisa de carinho para deitar cá para fora o talento incrível que tem", frisou, lembrando também outro dos seus ódios, o Inter. Um ódio saudável, na sua opinião.

"Acho que as pessoas vão entender-me e não serei mal-interpretado: eu odeio o Inter na mesma medida que o Michael Jordan odiava os Detroit Pistons. Não consigo deixar de odiar. Mas 99,9% das vezes eu encontro jogadores contra quem me mato em campo e cá fora rimos. Aliás, a mensagem que mais me emocionou quando lesionei o joelho foi do Javier Zanetti. Se dermos o significado certo a esse ódio, é uma componente essencial no desporto", explicou.

Balotteli e Melo contra-atacam

As palavras de Chiellini não ficaram sem resposta. No Instagram, Mario Balotelli acusou o defesa de não ser "um homem a sério", lamentando que Chiellini nunca lhe tenha dito frente a frente aquilo que vai escrever na sua autobiografia, que será lançada na terça-feira.

"Eu ao menos tenho coragem para dizer as coisas na cara. Tiveste muitas oportunidades para me dizer alguma coisa, de agir como um homem a sério, mas não o fizeste. Quem sabe o que irás dizer um dia sobre os teus atuais companheiros. Que capitão esquisito que és. Se é isto que significa ser um campeão, então prefiro não o ser. Nunca faltei ao respeito à camisola da seleção italiana", escreveu o avançado, atualmente no Brescia.

Já Felipe Melo foi abordado pelo diário "Gazzeta dello Sport" para comentar as declarações do antigo colega e não teve meias medidas. "Nunca vou ter respeito por ele. Ele disse que o Balotelli merecia uma chapada e que eu sou o pior de todos, mas ele sempre foi um cobarde, mijava-se de medo", disse o médio brasileiro, atualmente no Palmeiras.

"É fácil criticar algum num livro, se calhar ele ainda está chateado porque eu fui para o Galatasaray e afastámos a Juventus na Champions. Ou porque o Inter venceu tudo e eu sou do Inter. Isto é o que o Chiellini é: age sempre como se fosse o maior. Há coisas que devem ficar no balneário", atirou ainda Felipe Melo.

A discussão já extravasou acusador e acusados, com Luca Toni, antigo avançado italiano, a deixar também algumas críticas à forma como Chiellini lidou com a situação, dizendo que nem o central nem Balotelli saem bem da história.

"Quando escreves um livro, precisas de coisas para fazer manchete. Acho que ambos estiveram errados ao comportarem-se assim. É claro que não é bom não dizeres as coisas na cara, mas de certeza que o Balotelli fez alguma coisa", disse Toni numa conversa no Instagram com outro antigo avançado da seleção italiana, Christian Vieri. "É pior ainda quando as coisas chegam às redes sociais. Teria sido melhor se tivessem conversado e clarificado tudo. A julgar pela reação do Balotelli, há coisas que nunca chegaram a ser ditas", explicou ainda.