Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Seis casos positivos de covid-19 na Liga inglesa

Depois dos testes positivos, futebolistas e funcionários estão em isolamento obrigatório por um período de sete dias

lusa

Phil Noble

Partilhar

Seis pessoas, entre futebolistas e funcionários de três clubes da Liga inglesa de futebol, testaram positivo à covid-19, e estão agora em isolamento obrigatório por um período de sete dias, confirmou hoje o organismo.

"A 'Premier League' pode hoje confirmar que, no domingo, 17 de maio, e segunda-feira, 18 de maio, 748 jogadores e funcionários dos clubes foram testados para a covid-19", indicou o organismo na página oficial na Internet, acrescentando que "seis testaram positivos em três clubes diferentes".

Na curta nota, a Premier League não revela a identidade das pessoas nem nome dos clubes, mas refere que os "jogadores ou funcionários que deram positivo encontram-se em isolamento por um período de sete dias".

O regresso dos campeonatos em junho faz parte da segunda etapa do plano de desconfinamento do Reino Unido.

A 'Premier League' foi interrompida no início de março devido à pandemia da covid-19, numa altura em que o Liverpool tinha caminho livre para ser campeão, já que lidera a prova com mais 25 pontos do que o Manchester City, de Bernardo Silva e João Cancelo.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas -- Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 318 mil mortos e infetou mais de 4,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Capitão do Watford recusa regressar aos treinos por medo de contágio: "Já disse que não vou"

Troy Deeney, que já se tinha manifestado contra o regresso da Premier League, não quer correr o risco de contagiar o filho de cinco meses