Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Depois da NBA, também a MLS vai fazer a retoma na Disney World

As 26 equipas que integram a liga de futebol dos Estados Unidos vão ser divididas em seis grupos para a ronda de abertura de um torneio que servirá de antecâmara para a época regular, que já deverá acontecer nos respetivos estádios das equipas. Não haverá ninguém nas bancadas. Também a NBA vai usar o resort da Disney para recomeçar a época travada pela pandemia da covid-19

Lusa e Tribuna Expresso

John Todd/ISI Photos/Getty

Partilhar

A Major League Soccer (MLS), principal divisão de futebol dos Estados Unidos vai regressar, após a paragem por causa da pandemia de covid-19, no dia 8 de julho, com um torneio no complexo da Walt Disney, na Florida.

As 26 equipas que integram a MLS vão ser divididas em seis grupos para a ronda de abertura do torneio, que vai ser disputado sem adeptos nas bancadas no complexo Wide World of Sports da ESPN na Disney World, perto de Orlando, Florida, avançou esta quarta-feira a organização.

A liga norte-americana foi interrompida em 12 de março, por causa da pandemia, depois de terem sido disputadas apenas duas jornadas, e o regresso vai ser num formato inovador, com todas as equipas alojadas num único ‘resort’ e sujeitas a um rigoroso protocolo sanitário.

Também a NBA vai fazer a retoma da competição no complexo da Disney.

Cada clube vai disputar três jogos no seu grupo e o torneio vai decorrer durante 16 dias consecutivos, com os resultados a contarem para a época regular, que vai arrancar mais tarde.

As melhores 16 equipas vão avançar para uma ronda de eliminatórias e o vencedor do torneio vai ganhar um lugar na Liga dos Campeões da CONCACAF, em 2021.

Depois de concluído o torneio, as equipas vão recomeçar a época regular nos seus estádios de origem.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 411 mil mortos e infetou mais de 7,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (112.006) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,9 milhões).