Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Os previsíveis festejos do Bayern não terão certamente cerveja nem celebrações familiares

O Bayern Munique poderá ter na terça-feira a celebração mais comedida da sua história como campeão alemão de futebol, face às exigências de respeitar o protocolo contra a covid-19 e o facto de continuar a competir

Lusa

A. Beier

Partilhar

O Bayern Munique poderá ter na terça-feira a celebração mais comedida da sua história como campeão alemão de futebol, face às exigências de respeitar o protocolo contra a covid-19 e o facto de continuar a competir.

Festejar com os dirigentes, juntar os familiares e amigos dos membros do grupo de trabalho, a tradicional celebração com cerveja e a ida à tribuna da câmara para partilhar o êxito e mostrar o troféu aos adeptos são para esquecer este ano, enquanto a pandemia do novo coronavírus não estiver ultrapassada.

Em caso de vitória em Bremen, o plantel e equipa técnica têm maior liberdade, pois são testados regularmente e estão sempre juntos, contudo, nem sequer os dirigentes se podem juntar à festa.

Primeiro, por haver um limite de 100 pessoas na zona do relvado e balneários e depois porque para o fazer os dirigentes deveriam ser previamente sujeitos a testes, precisando de dois negativos.

Nas regras do regresso competitivo, a Liga alemã definiu que só após a 34.ª e última jornada será declarado o campeão, pelo que o “Schale”, o troféu para o vencedor, só será entregue após o último desafio da época, neste caso em 27 de junho, quando o Bayern jogar em Wolfsburgo.

A cerimónia será assim minimalista e a seguir, à risca, as regras e indicações oficiais, com os referidos 100 elementos envolvendo as zonas da ação, o obrigará o presidente do clube, Karl-Heinz Rummenigge, e os outros dirigentes a abster-se de viver esse momento com o grupo de trabalho.

O mesmo se aplica aos familiares e amigos dos campeões, vítimas colaterais do coronavirus, à semelhança da tradição do banho de cerveja.

“Ficarei contente se não acontecer este ano”, assumiu o treinador Hansi Flick, que na sua carreira nunca participou nesta cerimónia.

A tradicional apresentação do troféu aos adeptos desde a varanda da câmara municipal, na Marienplatz, já tinha sido cancelada com antecedência.

"O respeito por essa tradição é infelizmente inimaginável este ano. Mas tenho certeza de que encontraremos uma maneira apropriada de homenagear o clube, se eles recuperarem o título", disse o autarca Dieter Reiter, sem adiantar pormenores.

A reforçar a determinação em não quebrar as regras com familiares e amigos o facto de o Bayern disputar, em 04 de julho, em Berlim, a final da Taça da Alemanha, contra o Bayer Leverkusen, pelo que, pelo menos até esta data, o protocolo sanitário não deverá ser violado.