Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Um avião sobrevoou o estádio com uma tarja “White Lives Matter Burnley”. A polícia inglesa vai investigar

Em Manchester, minutos depois do início da partida da 30.ª jornada, e já depois de os jogadores das duas equipas e os árbitros terem colocado os joelhos no chão num gesto de solidariedade para com o movimento ‘Black Lives Matter', um avião deu várias voltas no céu, exibindo o ‘slogan' ‘White Lives Matter Burnley' (‘Vidas de brancos contam, Burnley’) antes de se afastar.

Lusa

Shaun Botterill

Partilhar

A polícia anunciou hoje que está a investigar a exibição de uma faixa com a frase ‘White Lives Matter Burnley' durante o jogo da Liga inglesa de futebol, entre o Burnley e o Manchester City.

Em Manchester, minutos depois do início da partida da 30.ª jornada, e já depois de os jogadores das duas equipas e os árbitros terem colocado os joelhos no chão num gesto de solidariedade para com o movimento ‘Black Lives Matter', um avião deu várias voltas no céu, exibindo o ‘slogan' ‘White Lives Matter Burnley' (‘Vidas de brancos contam, Burnley’) antes de se afastar.

A polícia de Lancashire confirmou, na rede social Twitter, que vai realizar “uma investigação” ao caso.

O Burnley prometeu afastar do seu estádio os autores do ‘slogan’, garantindo que vai “colaborar em pleno com as autoridades” para identificar os responsáveis.

O ‘slogan’ ‘White Lives Matter’ tem sido usado por grupos de extrema-direita que se opõem ao movimento ‘Black Lives Matter', que ganhou expressão após a morte do afro-americano George Floyd.

Os jogadores da Premier League decidiram por unanimidade ajoelhar-se durante os primeiros jogos de recomeço da competição, gesto popularizado durante as manifestações de protesto pela morte de George Floyd.

A mensagem ‘Black Lives Matter' também aparece na parte de trás de todas as camisolas no lugar dos nomes dos jogadores e um símbolo do movimento vai permanecer nos equipamentos até ao final da época.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, sucederam-se protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem, num cenário que se estendeu também a protestos e com manifestações em várias cidades mundiais.