Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

O Eibar prolongou-lhe o contrato por três semanas, até ao fim da liga espanhola. Ele deu o salário aos trabalhadores da cozinha e lavandaria

Pablo de Blasis é argentino, joga no Eibar e decidiu dar o dinheiro que lhe foi pago para estender o contrato (que terminava a 30 de junho) aos trabalhadores do clube basco. Antes, durante esta pandemia, já tinha leiloado uma camisola e oferecido os euros recebidos a um hospital da sua cidade, na Argentina

Diogo Pombo

Quality Sport Images

Partilhar

Pablo de Blasis é um tipo de futebolista que não costuma ser detetado pelos radares. Não pela sua altura (1,65 metros), mas por ser modesta quanto a carreira que vai tendo. Formou-se no Gimnasia de la Plata, na sua Argentina, seguiu para o Asteras Tripoli da Grécia, de lá mudou-se para o Mainz alemão e há dois anos assentou-se no e em Eibar, a mais pequena das terras e dos estádios que há na liga espanhola, a opção mais próximo de vida recatada.

Muito jogou na primeira época e tem jogada na segunda, é um extremo direito bom de bola, simples nas ações e de simplicidade extrema também nos atos, como agora o demonstrou, em tempos pandémicos. O Eibar, como tantos e quase todos os clubes, negociou com os jogadores que terminavam os contratos a 30 de junho para prolongar a duração do vínculo até ao final do campeonato, que será no domingo. E fê-lo com Pablo de Blasis.

Mas o jogador, de 32 anos, decidiu, no fundo, não usufruir das cerca de três semanas adicionais de salário que o clube lhe pagou - o argentino deu todo o dinheiro que recebeu aos funcionários da cozinha e da lavandaria do Eibar, escreve, este sábado, o jornal "Marca". É, talvez, uma pegada bem maior do que os sete golos marcados nos 57 jogos que leva no clube do país basco.

E nem foi a primeira vez que De Blasis abdicou de dinheiro que ganhou pela sua labuta de futebolista durante esta pandemia: há semanas, leiloou uma camisola do Borussia Dortmund, que tinha trocado nos tempos em que jogava no Mainz, e enviou o dinheiro ao Hospital San Roque de Gonnet, de La Plata, na Argentina, que fica perto de Buenos Aires.