Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Messi acaba a época com 25 golos e 21 assistências (mais do que Xavi e do que qualquer outro)

O número de passes para golo constitui um novo recorde na Liga espanhola

Lusa

Alberto Estevez

Partilhar

O argentino Lionel Messi conquistou este domingo pela sétima vez o título de melhor marcador da Liga espanhola de futebol, deixando para trás Telmo Zarra, e acabou a edição de 2019/20 com um novo recorde de assistências.

Em 34 jogos, o melhor jogador do mundo em título apontou 25 tentos e fez 21 passes para golo, superando os 20 do seu ex-companheiro no FC Barcelona Xavi, em 2008/09.

Messi somou o sétimo 'pichichi' e o quarto consecutivo, replicando os feitos de Alfredo Di Stéfano (55/59, pelo Real Madrid) e do mexicano Hugo Sánchez (84/85, pelo Atlético de Madrid, e 85/88, pelo Real Madrid).

Além de ter sido o melhor marcador em 2016/17 (37 golos), 2017/18 (34) e 2018/19 (36), o avançado 'albi-celeste' já encabeçara a lista dos artilheiros em 2009/10 (34 golos), 2011/12 (com um recorde de 50) e 2012/13 (46).

Telmo Zarra passa agora para o segundo lugar, com seis troféus, conquistados ao serviço do Athletic Bilbau, em 1944/45, 45/46, 46/47, 49/50, 50/51 e 52/53.

No terceiro posto, com cinco, seguem Di Stéfano, Quini e Hugo Sánchez.

Na história da Liga espanhola, Messi totaliza 444 golos, em 485 jogos, sendo o líder destacado da tabela, com mais 132 do que o português Cristiano Ronaldo, que, em nove anos no Real Madrid, logrou superar o argentino em 2010/11, 2013/14 e 2014/15.

Para somar o sétimo título de melhor marcador em 2019/20, bastaram 25 tentos ao argentino, sendo que se trata do seu pior registo desde os 23 de 2008/09 -- depois dessa época tinha como mínimo os 26 de 2015/16.

O jogador de 33 anos baixou o registo de golos, mas bateu o seu recorde de assistências, com 21, superando também o da Liga espanhola.

Em matéria de passes para golo, Messi tinha como melhores registos os 19 de 2010/11 e 2014/15.

O internacional argentino é o melhor nos dois capítulos nas três últimas temporadas e entra também para a história da competição como o primeiro jogador a ultrapassar as duas dezenas tanto em golos como em assistências.