Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Barcelona: Éric Abidal é a próxima vítima

Bartomeu prometeu uma reestruturação da equipa principal após a debacle de Lisboa e depois da saída do treinador Quique Setién, na segunda-feira, esta terça é a vez do diretor para o futebol a abandonar o Barcelona

Lídia Paralta Gomes

Quality Sport Images/Getty

Partilhar

Nos anos 90, a telenovela brasileira "A Próxima Vítima" tinha como grande mistério um assassino que possuía uma lista do horóscopo chinês com as datas de nascimento de uma série de personagens que ao longo da trama seriam mortas das maneiras mais variadas (e horríveis).

Não é bem isso que se passa no Barcelona, mas o certo é que o desastre de Lisboa, aquela copiosa derrota nos quartos-de-final da Champions com o Bayern Munique por 8-2, está a fazer mossa e muita gente vai cair.

O primeiro foi Quique Setién, o técnico, que na segunda-feira acertou a rescisão com o clube. Num comunicado, a junta diretiva do Barcelona, liderada por Josep Bartomeu, anunciava não só a saída do treinador, mas também que estava a caminho "uma ampla reestruturação na equipa principal". E esta terça-feira caiu Éric Abidal.

O antigo jogador do clube e até agora diretor do futebol sai dois anos depois de voltar ao clube onde ganhou quatro ligas espanholas e duas Ligas dos Campeões.

"O Barcelona e Éric Abidal chegaram a um acordo que termina o contrato entre as duas partes", pode ler-se em mais um curto comunicado no site oficial. "O clube gostaria de agradecer publicamente o seu profissionalismo e a sua relação próxima e positiva com todos os aspetos da família blaugrana", diz ainda a nota.

O clube já anunciou que para já não haverá eleições, mesmo que a liderança de Josep Bartomeu seja mais contestada que nunca. Só em março de 2021 os sócios do Barcelona voltarão às urnas. Até lá, questiona-se quem será a próxima vítima em Camp Nou.