Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Aleksander Ceferin, presidente da UEFA e "otimista por natureza", acredita que o Euro 2020 vai realizar-se. E com público

Em entrevista à agência Lusa, o esloveno espera que "em breve" tenhamos "adeptos de regresso aos estádios em todo o continente para verem jogos das competições da UEFA"

Lusa

Harold Cunningham - UEFA

Partilhar

O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, assumiu-se otimista com a realização em 2021 do campeonato da Europa de futebol, após o adiamento devido à pandemia de covid-19, e com o regresso do público aos estádios.

“Sou otimista por natureza e penso que temos de planear considerando que a pandemia estará sob controlo no próximo ano e que os adeptos terão a oportunidade de viajar para as 12 cidades-sede de forma segura e sem restrições para viverem as emoções do Euro2020 no próximo verão”, afirmou o esloveno, em entrevista à agência Lusa.

O Euro2020, no qual Portugal vai defender o título conquistado em 2016, que vai ser disputado em 12 cidades de outros tantos países europeus, foi adiado para entre 11 de junho e 11 de julho de 2021.

“Posso prometer que a UEFA, em conjunto com toda a comunidade do futebol europeu, fará tudo o que está ao seu alcance para assegurar o ambiente mais seguro possível através da implementação e respeito de todas as regras e regulamentos para o bem do ‘beautiful game’”, prosseguiu o esloveno.

Aleksander Ceferin recordou ser um “otimista” quando questionado sobre o regresso dos adeptos aos estádios de futebol, depois da suspensão praticamente generalizada das competições devido à pandemia de covid-19 e da retoma à porta fechada.

“Em alguns países, onde tal já se verifica, nós vemos um certo número de espectadores a regressar aos estádios para apoiar a sua equipa preferida. Esperamos – e novamente refiro que sou um otimista por natureza – que em breve tenhamos adeptos de regresso aos estádios em todo o continente para verem jogos das competições da UEFA, desde que seja seguro fazê-lo”, frisou.

O dirigente esloveno assegurou que “tanto a UEFA como as federações nacionais em toda a Europa sabem da importância de permitirem o regresso dos adeptos aos estádios, mas a situação na Europa ainda está fragmentada”.

“A UEFA está constantemente a monitorizar a situação nos diferentes países para avaliar se a decisão atual de os jogos serem à porta fechada precisa de ser mantida”, rematou.