Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Dirigente do Qarabag disse que é necessário “matar todos os arménios, dos mais novos aos mais velhos, sem distinção”. A UEFA vai investigar

Com o reacender dos conflitos entre Arménia e Azerbaijão pelo território de Nagorno-Karabakh, Nurlan Ibrahimovic, diretor de comunicação do Qarabag, escreveu mensagens de ódio no Facebook contra os arménios. Posteriormente apagou, mas a federação da Arménia exige que o clube seja excluído da Liga Europa

Tribuna Expresso

DeFodi Images/Getty

Partilhar

O reacender do conflito armado entre a Arménia e o Azerbaijão pela soberania de Nagorno-Karabakh, território de maioria arménia mas situado dentro das fronteiras do Azerbaijão, chegou agora ao futebol, com a UEFA a anunciar a abertura de um inquérito disciplinar ao Qarabag, campeão azeri, depois de um funcionário do clube ter colocado no Facebook uma mensagem de ódio em que pedia para se “matar todos os arménios, dos mais novos aos mais velhos, sem distinção”.

De acordo com uma queixa apresentada pela Federação de Futebol da Arménia, Nurlan Ibrahimovic, diretor de comunicação do Qarabag, escreveu ainda mensagens em que justificava o genocídio arménio perpetrado pela Turquia no início do século XX e que terá provocado a morte a mais de 1 milhão de arménios. Todas as mensagens seriam posteriormente apagadas, mas a federação arménia exige a exclusão do Qarabag das competições europeias - o clube está a disputar a fase de grupos da Liga Europa.

O Qarabag é originalmente da cidade de Agdam mas em 1993, depois do exército arménio invadir e destruir a cidade, mudou-se para Baku, capital do Azerbaijão. Nos últimos anos tornou-se na mais bem-sucedida equipa do país e chegou mesmo a participar na fase de grupos da Liga dos Campeões em 2017/18.

Nagorno-Karabakh é internacionalmente reconhecido como território azeri, mas a região é governada pela República de Artsaque, de origem étnica arménia. No final de setembro voltaram os confrontos armados entre os dois países.

A guerra entre arménios e azeris tem recorrentemente efeitos em competições desportivas. O caso mais mediático aconteceu em 2019, quando o Arsenal optou por não convocar o arménio Henrik Mkhitaryan para a final da Liga Europa, que esse ano se realizou em Baku, por receios pela segurança do jogador.