Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

As críticas de Kroos: "Nós, jogadores, somos meros fantoches em todas essas novidades inventadas pela FIFA e pela UEFA"

O internacional alemão criticou o novo calendário de jogos de clubes e seleções e a alegada pretensão de avançar com uma Superliga europeia

Lusa

Michael Regan - FIFA

Partilhar

O alemão Toni Kroos, do Real Madrid, considerou hoje que os jogadores de futebol são uns “fantoches” nas mãos da FIFA e da UEFA e que nem são consultados na criação de novas competições, como a Liga das Nações.

“Nós, jogadores, somos meros fantoches em todas essas novidades inventadas pela FIFA e pela UEFA. Ninguém nos consulta”, lamentou o médio ‘merengue’, de 30 anos, num desabafo publicado sob a forma de um ‘podcast’ na Internet.

Toni Kroos, que se sagrou campeão mundial em 2014 e que comemorou a sua 100.ª internacionalização pela Alemanha em outubro, integra a seleção que defronta ainda hoje a República Checa, em Leipzig, num encontro de carácter particular.

Segundo Kroos, se os jogadores fossem consultados nas decisões da FIFA e da UEFA “não participariam na Liga das Nações, nem numa Supertaça de Espanha na Arábia Saudita ou num Mundial de clubes com 20 equipas [a edição de 2021 decorrerá com 24]”.

O jogador do Real Madrid considera que estes torneios são organizados para “arrecadar o máximo de dinheiro possível” e exaurir os corpos dos jogadores.

A posição do internacional alemão surge numa altura em que várias vozes se levantam na Europa contra o ritmo infernal imposto aos jogadores de futebol, agravado com a pandemia de covid-19.

Em gestação está também a criação de uma Liga europeia fechada (integrando os principais emblemas), projeto que Kroos considera “muito, muito interessante do ponto de vista desportivo”, mas que poderá aumentar o fosso financeiro entre os clubes.

“É bom deixar algumas coisas como estão, quando funcionam”, acrescentou Kroos, considerando a Liga dos Campeões, o Campeonato da Europa e o Campeonato do Mundo “grandes produtos”.

Portugal: o jogo inútil contra o 145.º do mundo a quem já marcou 22 golos em cinco jogos

O selecionador nacional e alguns jogadores já questionaram publicamente a utilidade de um jogo de caráter particular num momento em que os futebolistas já apresentam alguns sinais de fadiga. Este é contra Andorra, dias antes do difícil Portugal - França, para a Liga das Nações