Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Peter Shilton sobre Maradona: "Em nenhum momento admitiu a batota, ou que gostaria de pedir desculpa. Usou a expressão 'mão de Deus'"

Shilton lamentou que Maradona nunca tenha pedido desculpa pelo golo marcado com a mão, o primeiro de dois que marcou naquele jogo. Reconhece, no entanto, que "foi o maior jogador contra quem jogou"

Lusa

Peter Shilton

Getty Images

Partilhar

A lenda do futebol Diego Maradona, que morreu na quarta-feira, foi dotado de "grandeza mas não de desportivismo", afirmou o antigo guarda-redes inglês Peter Shilton, vítima da famosa 'mão de Deus'.

Shilton lamentou que Maradona nunca tenha pedido desculpa pelo golo, o primeiro de dois que marcou naquele jogo.

Mais até do que o troféu conquistado em 1986, fica na memória de todos os amantes do futebol aquele que é considerado o melhor golo da história dos Mundiais, com Maradona a partir do seu meio-campo, com a bola 'agarrada' ao pé esquerdo, e a fintar todos os ingleses que lhe apareceram pela frente, até bater Peter Shilton.

Foi nos quartos de final, no triunfo por 2-1 sobre a Inglaterra, e aconteceu minutos depois do célebre episódio da 'mão de Deus', lance assim definido pelo próprio 'Pelusa', para justificar o golo marcado com a mão.

Numa entrevista ao jornal Daily Mail, o antigo guarda-redes inglês afirmou que o astro argentino foi "o maior jogador contra o qual alguma vez jogou", mas reforçou: "O que eu não gosto é que ele nunca tenha pedido desculpa".

"Em nenhum momento admitiu ter feito batota, ou que gostaria de pedir desculpa (...) Em vez disso, usou a sua expressão 'mão de Deus'. Não foi justo", afirmou.

"Parece que tinha grandeza, mas infelizmente não tinha desportivismo", observou.

Shilton, de 71 anos, admitiu que a sua vida "está há muito ligada à de Diego Maradona", mas não da maneira de que teria gostado.

O antigo guarda-redes inglês lamentou a morte de Maradona e enviou as condolências à família.

O corpo da lenda do futebol Diego Maradona chegou ao palácio presidencial argentino em Buenos Aires, onde vai decorrer o velório, de acordo com as imagens dos canais desportivos TyC e ESPN.

Centenas de pessoas aguardavam, em fila, no exterior do palácio presidencial para se despedirem do campeão mundial de 1986, no velório público que vai decorrer hoje, das 06:00 às 16:00 (entre as 09:00 e as 19:00 em Lisboa), indicou a presidência argentina.

Maradona, considerado um dos melhores futebolistas da história, morreu na sua residência, na Argentina, aos 60 anos, anunciou o agente e amigo Matías Morla.

Segundo a imprensa argentina, Maradona, que treinava os argentinos do Gimnasia y Esgrima, sofreu uma paragem cardíaca na sua vivenda na província de Buenos Aires.

A sua carreira de futebolista, de 1976 a 2001, ficou marcada pela conquista, pela Argentina, do Mundial de 1986, no México, e os dois títulos italianos e a Taça UEFA ganhos ao serviço dos italianos do Nápoles.

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, decretou três dias de luto nacional pela morte de Maradona.