Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Um Eldorado bastante menos dourado: China limita salários de futebolistas estrangeiros a três milhões de euros

A regra, que visa o desenvolvimento do futebol chinês de forma mais sustentável, aplicar-se-á a partir de 1 de janeiro de 2021 para todos os jogadores estrangeiros, incluindo aqueles que atualmente estão a jogar na China, mas os jogadores com um vencimento superior a três milhões de euros poderão assinar com os seus clubes “um acordo adicional para acordar uma forma de pagamento da diferença”

Lusa

Oscar está na China desde o início de 2017

Visual China

Partilhar

A Federação Chinesa de Futebol (CFA) anunciou esta terça-feira que limitará os salários dos jogadores estrangeiros a atuarem nos campeonatos nacionais a três milhões de euros anuais, uma medida que poderá afastar a chegada de grandes nomes da modalidade.

“O salário individual dos jogadores estrangeiros durante uma temporada não pode ultrapassar os três milhões de euros, antes de ser aplicada a taxa de impostos. Esta política visa conter as bolhas de investimento nos nossos campeonatos e promover o desenvolvimento saudável e sustentável do futebol profissional”, justificou a CFA, na sua página oficial na Internet.

Esta regra aplicar-se-á a partir de 1 de janeiro de 2021 para todos os jogadores estrangeiros, incluindo aqueles que, atualmente, estão a jogar na China, mas, de acordo com o organismo, os jogadores com um vencimento superior a três milhões de euros poderão assinar com os seus clubes “um acordo adicional para acordar uma forma de pagamento da diferença”.

A Superliga chinesa conta com o português Daniel Carriço, ao serviço do Wuhan Zall, e com o compatriota Vítor Pereira, ao ‘leme’ do Shanghai SIPG, equipa na qual alinham nomes conhecidos como o austríaco Marko Arnautovic e o brasileiro Óscar. O eslovaco Marek Hamsik e o também brasileiro Anderson Talisca, ex-Benfica, atuam igualmente na principal divisão daquele país.