Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Nápoles, a cidade que pretende converter-se na “Maradonalândia”

Um grande museu, várias estátuas e até uma praça serão modificados. Tudo para chamar devotos de Maradona

André Manuel Correia

Michael Steele / GETTY IMAGES

Partilhar

Foi em 1984 que Diego Armando Maradona trocou a confortável camisola blaugrana do Barcelona pela bem mais pequena e arriscada azul celeste do Nápoles, quando aceitou o ousado projeto de devolver a grandeza perdida ao emblema italiano. E foi exatamente isso que o pequeno gigante fez até 1991, tornando-se no principal estandarte do clube e da cidade. A cidade, um mês após a morte do craque argentino, prepara-se para erigir um museu, várias estátuas e até mesmo um quarteirão em sua homenagem. Uma “Maradonalândia”,

Depois de renomear o Estádio San Paolo e uma estação ferroviária com o nome do eterno 10, as autoridades locais têm já planeada a construção de um grande museu, estátuas estão encomendadas e uma praça inteira deverá surgir na malha urbana para se tornar num lugar de romaria de todos os fiéis seguidores da magia de Maradona.

“Já estamos com um projeto para decorar a área em frente ao mural no Quarteirão Espanhol com plantas e bancos. O mural foi pintado pelo artista Mauro Filardi em 1990 para celebrar o segundo campeonato da Serie A conquistado pelo Nápoles”, refere Luigi Felaco, responsável pela decoração urbana da cidade, citado pelo The Guardian.

“Agora, pretendemos nomear a praça em homenagem a Maradona, uma vez que centenas de pessoas se têm concentrado por aqui todos os dias desde a sua morte”, acrescentou Felaco.

Mais de 14 artistas já submeteram propostas para as estátuas, enquanto o museu deverá ficar instalado no interior do estádio, onde ficarão expostas as fotografias, flores, bolas e camisolas que os devotos de “El Pibe” têm depositado um pouco por toda a cidade.