Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

O coronavírus é uma dor de cabeça para Guardiola e um ataque de raiva para Ancelotti

O Manchester City enfrenta a possibilidade de uma acumulação de jogos que pode fazer descarrilar definitivamente a época. Tudo por causa da Covid19

Tribuna Expresso

JOSEP LAGO

Partilhar

As próximas 48 horas podem ser decisivas para os azuis de Manchester. O plantel vai fazer mais testes na terça-feira e o jogo com o Everton, na passada segunda-feira, foi adiado. O jornal “Daily Mail” noticiou que três jogadores dos Citizens receberam resultados positivos dos testes que fizeram.

Kyle Walker e Gabriel Jesus já estavam em confinamento profilático, bem como dois elementos da equipa técnica do clube. Agora, há mais dois jogadores a testar positivo. Os pormenores do surto deverão ser conhecidos na próxima terça-feira, depois de mais uma ronda de testes. A academia do City já foi encerrada por tempo indeterminado e está a sofrer uma desinfeção rigorosa.

Os próximos desenvolvimentos poderão colocar a visita do City ao Chelsea em causa e um novo adiamento colocaria o clube três jogos atrás da maioria dos rivais. Na próxima quarta-feira, os Citizens têm o dérbi de Manchester marcado, com a semifinal da Carabao Cup, a Taça da Liga inglesa. Será mais um jogo em risco.

Reagendar um número alargado de jogos, quando a época já está definitivamente confusa irá representar uma dor de cabeça significativa para Guardiola, sendo que o City está ativo em quatro frentes. O clube já disse que o adiamento do jogo com o Everton foi a única atitude lógica.

Lógica ou não, a atitude do Manchester City deixou o Everton e particularmente Carlo Ancelotti muito perto de um ataque de nervos. O clube de Liverpool orientou o descontentamento para a Premier League por ter aceitado o adiamento, mais do que para os vizinhos de Manchester. Recorde-se que o jogo foi adiado cinco horas antes do pontapé de saída.

Quem vai respirando de alívio é Jürgen Klopp e o seu Liverpool. O City está seis pontos atrás dos Reds e a confusão derivada da pandemia não vem certamente ajudar os de Manchester. No caso de os Citizens seguirem em frente na Liga dos Campeões, há a possibilidade de terem de encaixar sete jogos da Premier League em 16 dias em maio.