Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove campeonatos depois (para a Juventus), o AC Milan está de volta

Esta noite há jogo grande na Serie A: o AC Milan, atual - e surpreendente - líder da prova, defronta a Juventus, campeã há nove épocas consecutivas. E há pelo menos nove boas razões para ver este clássico italiano (19h45, SportTV1)

Mariana Cabral

MIGUEL MEDINA

Partilhar

1. O AC Milan é, finalmente, líder isolado da Serie A

Se não se lembra da última vez que o AC Milan liderou a Liga italiana, não se preocupe com a sua memória: é que já lá vão 9 anos desde que a equipa passou pelo topo da Serie A. Aquele Milan de 2006/07 que conquistou a Champions é bem mais inesquecível (porque tinha Maldini, Pirlo, Kaká, Seedorf, Inzaghi...), mas, enfim, desde então pouco houve para recordar para os lados de Milão (a exceção está no ponto 2 deste texto).

Atualmente, disputadas 15 jornadas, o AC Milan lidera o campeonato com 37 pontos, mais um do que o Inter, mais sete do que a Roma (de Paulo Fonseca), mais nove do que o Nápoles (com menos um jogo) e, por fim, mais... 10 do que a Juventus (também com menos um jogo).

2. 2010/11: a última época em que o AC Milan foi campeão - e em que a Juventus não foi

Se há campeonato europeu em que a disputa pelo título provoca um longo bocejo, esse campeonato é a Serie A. Já lá vão nove (9!) ligas consecutivas para a Juventus, eneacampeã. Mas a última vez que outra equipa que não a Juve ganhou a prova aconteceu precisamente com o AC Milan, em 2010/11. Zlatan Ibrahimovic, agora com 39 anos, andava por lá, a marcar 21 golos e a ser o melhor marcador da equipa. Ah, e Andrea Pirlo passeava classe pelo meio-campo.

Claudio Villa.

3. A Juventus é... 5ª classificada

No início da época dificilmente haveria quem o adivinhasse: à 15ª jornada, a Juventus é 5ª classificada. Eterna campeã, la vecchia signora era naturalmente favorita à conquista de mais um campeonato, mas a vida da equipa de Andrea Pirlo (que sucedeu ao muito criticado Maurizio Sarri, que ainda assim foi campeão) não tem sido fácil: a qualidade do que se vê em campo não está a ser a esperada e a Juve já tem menos nove pontos do que por esta altura do campeonato na época passada, já que perdeu um jogo e empatou seis. Ao contrário do AC Milan.

4. O AC Milan é a única equipa das cinco melhores ligas europeias que ainda não perdeu

15 jogos, zero derrotas (e quatro empates). O AC Milan não só é a única equipa italiana ainda sem derrotas esta época como é também a única equipa das cinco melhores ligas da Europa (Espanha, Inglaterra, Itália, Alemanha e França, de acordo com o ranking da UEFA) que não perdeu qualquer jogo. É obra.

5. O último jogo: AC Milan 4-2 Juventus

Jonathan Moscrop

A 7 de julho de 2020, a Juventus já tinha quase tudo preparado para ser campeã, mas viu o AC Milan superiorizar-se no duelo em San Siro. Já com Stefano Pioli como treinador, a equipa da casa ganhou com golos de Zlatan Ibrahimovic, Franck Kessié, Rafael Leão e Ante Rebic. Pela Juventus marcou, obviamente, Cristiano Ronaldo e também Adrien Rabiot.

No confronto direto entre ambas, é a Juventus que mais vence: 84 vitórias contra 58 derrotas (e 70 empates) em 212 jogos.

6. Há intervenientes de luxo

Temos de começar, evidentemente, por Cristiano Ronaldo, mas o melhor marcador da Serie A, com 14 golos, não está só a aumentar a qualidade do plantel da Juventus: há Paulo Dybala, Adrien Rabiot, Leonardo Bonucci, Danilo, etc, etc, etc. Só não haverá Juan Cuadrado e Alex Sandro, já que ambos estão infetados com covid-19, anunciou o clube.

Do lado do AC Milan, ao contrário do que aconteceu em épocas recentes, já há nomes talentosos a apontar no plantel, começando, claro está, por Ibrahimovic, que já leva 10 golos marcados e que é o grande ausente do jogo, por lesão (juntamente com Ismael Bennacer). Depois há Ante Rebic, Hakan Çalhanoglu, Rafael Leão, Gigi Donnarumma, Brahim Diaz, etc, etc, etc.

7. Não há Zlatan, mas...

É inegável que, mesmo aos 39 anos, Ibrahimovic é o grande marcador do AC Milan atual, pelo que será interessante ver como se portará a equipa sem uma das suas referências ofensivas num clássico deste nível. Antes, frente à Lazio (e ao Benevento e ao Sassuolo), até correu bem, com a equipa a sair vitoriosa (bom, nos descontos...).

Marco Luzzani

8. Um inédito Pioli - Pirlo

Ao contrário de Andrea Pirlo, que está a assumir uma equipa pela primeira vez, Stefano Pioli já tem, aos 55 anos, uma vasta experiência no futebol italiano. Proveniente da Fiorentina, entrou no AC Milan no decorrer da época passada, inicialmente mais como penso rápido do que como solução duradoura, mas a forma como a equipa terminou o ano, com 18 vitórias em 35 jogos, acabou por fazê-lo continuar. Esta época, o seu habitual 4-2-3-1 já soma 16 vitórias em 22 jogos, não só na Serie A mas também na Liga Europa, onde o clube irá defrontar os sérvios dos Crvena Zvevzda.

Andrea Pirlo também pode gabar-se de sucesso nas competições europeias, uma vez que terminou a fase de grupos à frente do Barcelona e passou tranquilamente aos oitavos-de-final, onde vai defrontar o FC Porto. Contudo, a história é diferente na Serie A e a forma maleável como a equipa tem jogado, entre o 3-5-2 e o 4-4-2, não parece estar, por vezes, a funcionar de acordo com aquilo que o ex-jogador diz que é o seu ideal.

9. Olá, portugueses

Cristiano Ronaldo é o único (veterano) português da Juventus - que este ano já leva 18 golos em 15 jogos -, mas no AC Milan há dois jovens: Rafael Leão e Diogo Dalot. O ex-jogador do Sporting está a impressionar, aos 21 anos, estando a ganhar cada vez mais terreno na titularidade: já soma 16 jogos, com cinco golos. Já o ex-FC Porto Diogo Dalot, também com 21 anos, que está emprestado pelo Manchester United, segue com 11 jogos somados, mas tem sido bem mais utilizado na Liga Europa do que na Serie A.