Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Kyril Louis-Dreyfus é o novo dono do Sunderland. Tem 23 anos e nem acabou a faculdade

Herdeiro de uma larga fortuna, o jovem francês quer investir no histórico emblema, que por estes dias arrasta-se no terceiro escalão do futebol inglês. E apesar da juventude, Louis-Dreyfus não é um estranho ao negócio do futebol: o seu falecido pai, Robert, foi durante vários anos dono e presidente do Marselha

Lídia Paralta Gomes

Richard Sellers - PA Images/Getty

Partilhar

O que é que a sitcom “Seinfeld”, que entre 1989 e 1998 nos elucidou sobre as pequenas grandes neuroses e particulares personalidades de quatro habitantes de Nova Iorque, e o histórico emblema do norte de Inglaterra Sunderland têm a ver um com o outro?

A partir desta semana, uma relação familiar. Afinal de contas, uma participação maioritária do clube foi comprada por Kyril Louis-Dreyfus, primo em 2.º grau de Julia Louis-Dreyfus, a Elaine de “Seinfeld”, vencedora de 11 Emmys e seguramente uma das mulheres com mais graça deste Mundo.

Acontece que Kyril é um jovem, mesmo muito jovem. Tem apenas 23 anos e vai assim tornar-se no mais novo presidente de clube em Inglaterra e logo com a difícil tarefa de voltar a trazer luminosidade a um Stadium of Light que nos últimos anos só tem visto trevas. Desde dezembro que havia acordo com o antigo chairman Stewart Donald para a compra do Sunderland, um emblema com 142 anos de história, mas só agora a federação inglesa deu luz verde ao negócio.

Filho de pai francês e mãe russa e nascido na Suíça, Kyril Louis-Dreyfus, herdeiro de uma fortuna que ultrapassa os 2 mil milhões de euros, não é exatamente um estranho aos meandros do futebol. O seu pai, o empresário Robert Louis-Dreyfus, falecido em 2009, chegou a ser CEO da Adidas entre 1994 e 2001 e dono do Marselha de 1996 até à sua morte, altura em que as ações passaram a ser controladas pela mulher, Margarita Louis-Dreyfus. A mãe de Kyril acabaria por vender em 2016 a sua posição maioritária no clube francês. A família chegou também a ser acionista minoritária do Standard Liege, da Bélgica.

Isso fez com que Kyril se apaixonasse pelo futebol e principalmente pelo Marselha. Presença habitual nas bancadas do Velodrome, forjou mesmo amizade com os jogadores Benjamin Mendy, hoje lateral do Manchester City, e Florian Thauvin. Em 2017, Kyril iniciou um curso de gestão desportiva em Leeds, em Inglaterra, mas acabaria por fazer apenas dois anos da sua formação.

Kyril tornou-se próximo de vários jogadores do Marselha, clube do qual a família chegou a ser proprietária

Kyril tornou-se próximo de vários jogadores do Marselha, clube do qual a família chegou a ser proprietária

Manuel Blondeau/Getty

Terá agora no Sunderland a oportunidade de colocar em prática aquilo que foi aprendendo nos negócios da família e nos bancos da faculdade, embora lá tenha parado pouco. Ainda assim, a ligação dos Louis-Dreyfus ao futebol acabou por ser essencial na hora de negociar com Stewart Donald, que havia comprado o clube há apenas dois anos e meio, depois da segunda descida consecutiva do Sunderland, que por estes dias se passeia quase indigentemente a meio da tabela da League One, o terceiro escalão do futebol inglês.

Donald resgatou um clube em crise desportiva e com uma dívida monstruosa, mas só conseguiu algumas vitórias na parte financeira, já que o clube continua longe de conseguir resultados consistentes que façam sonhar com um regresso à Premier League, o seu território natural - ao longo da história, o Sunderland esteve 86 temporadas no escalão principal do futebol inglês.

“É público que houve outras propostas que me ofereciam mais dinheiro”, sublinhou Donald em dezembro, em declarações ao site do Sunderland, justificando a venda ao jovem Kyril Louis-Dreyfus com o conhecimento que este mostrou dos meandros do futebol. “Senti que essas ofertas mais altas ofereciam menos ao clube e à comunidade. Desde os primeiros encontros com o Kyril, a sua família e consultores, fiquei muito impressionado”, sublinhou.

Herdeiro do Louis Dreyfus Group, conglomerado com negócios na área da agricultura, transportes e transformação de alimentos - e que é presidido pela mãe, Margarita - Kyril e os seus irmãos foram desde cedo apresentados às empresas familiares. Mas a grande paixão de Kyril, que segundo o “The Sun” é um inveterado jogador do simulador Football Manager, estava mais virada para os relvados do que para os escritórios das fábricas. A convicção, nas palavras do jovem que nas últimas semanas já tem sido presença assídua nas vazias bancadas do clube, é “novamente colocar o Sunderland no escalão principal do futebol inglês”.