Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Patrick Ekeng morreu porque a médica não iniciou as manobras de reanimação, conclui o tribunal

Um tribunal de recurso romeno confirmou hoje a condenação de homicídio por negligência, decretada em primeira instância à médica Elena Duta, que assistiu durante um jogo Patrick Ekeng no relvado, onde o futebolista camaronês acabou por morrer, em 2016

Lusa

Dave Winter

Partilhar

Um tribunal de recurso romeno confirmou hoje a condenação de homicídio por negligência, decretada em primeira instância à médica Elena Duta, que assistiu durante um jogo Patrick Ekeng no relvado, onde o futebolista camaronês acabou por morrer.

De acordo com a decisão do tribunal de recurso, a médica incorreu em negligência agravada quando decidiu não iniciar de imediato as manobras de reanimação ao jogador, que caiu inanimado no relvado em 05 de maio de 2016, durante um jogo entre a sua equipa, o Dínamo de Bucareste, e o Viitorul Constanta, do campeonato romeno.

O tribunal, cuja decisão não é passível de recurso, confirmou a sentença imposta em junho, quando a médica foi condenada em primeira instância a uma pena suspensa de 18 meses, convertida em trabalho comunitário por igual período.

A autópsia ao médio camaronês, de 26 anos, que cumpria a primeira época ao serviço do Dínamo, revelou problemas cardíacos graves.