Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Técnico do Monchengladbach tratou mal um trio de arbitragem. Punição? Treinar uma equipa feminina

Heiko Vogel, treinador da equipa sub-23 do Borussia Monchengladbach, recebeu um inusitado castigo depois de comportamento anti-desportivo em relação a um trio de árbitragem. Na Alemanha critica-se o sexismo da decisão: “Coloca treinar uma equipa feminina ao nível de trabalho comunitário”

Tribuna Expresso

TF-Images/Getty

Partilhar

Se há situações em que se pode aplicar o popular adágio “pior a emenda que o soneto”, esta será uma delas. Mas vamos ao início. Em finais de janeiro, Heiko Vogel, treinador da equipa sub-23 do Borussia Monchengladbach, dirigiu palavras menos próprias contra o trio de arbitragem do jogo contra o Bergisch Gladbach, da 4.ª divisão regional alemã, trio esse constituído por Marcel Benkhoff e duas mulheres assistentes, Vanessa Arlt e Nadine Westerhoff.

De acordo com o diário alemão “Die Welt”, os insultos não foram tornado públicos, mas a sanção ao treinador de 45 anos por parte da Associação de Futebol da Alemanha Ocidental sim: além de uma multa de 1.500 euros e dois jogos de suspensão, como punição pelo seu “comportamento anti-desportivo” Heiko Vogel terá de dar seis sessões de treino a uma equipa de futebol feminino.

A punição não confirma mas levanta o véu sobre o teor dos comentários de Vogel. Mas o próprio castigo está a ser visto como comportamento sexista na Alemanha, já que assume o treino de futebol feminino como algo negativo.

“Mostra que seja qual for o nível a que as raparigas e as mulheres joguem futebol, nunca serão levadas tão a sério quanto os rapazes e os homens”, frisou Nicole Selmer, do canal Frauen in Fussball ("Mulheres no futebol", por português), dedicado ao futebol feminino, em declarações à ESPN.

A jornalista sublinha ainda que o castigo a Heiko Vogel “coloca treinar uma equipa feminina ao nível de trabalho comunitário”.

“O futebol feminino é um desporto e aquelas que dele fazem parte são tão profissionais quanto os seus congéneres masculinos”, disse ainda a repórter, que acredita que a decisão da Associação de Futebol da Alemanha Ocidental, “apesar de bem intencionada, está a enviar a terrível mensagem” de que treinar uma equipa feminina é uma punição.

Vogel terá até ao final da temporada para cumprir o dito “castigo”.