Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Tottenham - Man. United: uma vingança, uma rivalidade que cresce, um jogo que Mourinho não pode perder

O domínio do Manchester United nos primeiros anos da Premier League também se fez indiretamente às custas do Tottenham mas por estes dias as duas equipas estão em patamares semelhantes. Na 1.ª volta da Premier League houve um em tempos impensável 6-1 para a equipa de Mourinho e o United vai querer limpar a cara este domingo (16h30, Sport TV2). Mas para os londrinos, em plena convulsão no balneário e a ver um lugar de Champions a fugir, perder pontos não é opção

Lídia Paralta Gomes

Oli Scarff - Pool/Getty Images

Partilhar

Aqui há coisa de dois anos, no livro “The Club”, onde se explica como a Premier League chegou em 1992, deu um pontapé na porta e revolucionou todo o conceito do que deveria ser uma liga de futebol, Jonathan Clegg e Joshua Robinson, autores da dita obra, apontavam um tal de Edward Freedman como uma das mais decisivas contratações da história do Manchester United.

Nas maravilhosas bases de dados onde podemos procurar todo e qualquer cidadão que possa ter dado um chuto numa bola de forma profissional, não vamos encontrar Freedman. Ele não é um daqueles jogadores que em tempos marcou um golo decisivo. Não é um treinador que na sombra estabeleceu novos conceitos. Edward Freedman é o guru do merchandising que o Manchester United conseguiu roubar ao Tottenham precisamente em 1992. Nessa mesma temporada, a de estreia da Premier League, o Manchester United venceu o seu primeiro título em 26 anos.

Olhando para trás, é impossível não destacar o trabalho do homem que em 1994 fez disparar as receitas do clube na área do marketing para €50 milhões, mais 180% que nos anos anteriores, levando a marca Manchester United aos mais diversos cantos do mundo através dos seus produtos oficiais, ajudando a tornar os red devils numa equipa omnipresente: estejamos em Manchester, em Lisboa, em Hong Kong ou em Jacarta, vamos sempre encontrar um adepto do United.

Tudo isso traz dinheiro, com dinheiro vêm os melhores jogadores e com os melhores jogadores chegam os títulos: depois de uma seca de quase um quarto de século, o Manchester United tornou-se no mais poderoso clube da era da Premier League, com 13 títulos. O Chelsea, com cinco campeonatos, é o clube que se segue na lista de vencedores.

Foi assim a passar a perna ao Tottenham que o United deu o passo definitivo para se tornar no gigante que é, mesmo que hoje esteja um pouco adormecido. Mas nem foi a primeira vez: reza a lenda que em 1984 o Tottenham chegou a ter tudo acertado com Alex Ferguson, então treinador do Aberdeen. O acordo terá caído e dois anos depois Fergie estava no Manchester United. O resto, bem, nem é preciso falar.

Se o Tottenham tivesse mantido Edward Freedman e contratado Alex Ferguson, a história do futebol inglês teria sido diferente?

Essa é uma daquelas perguntas às quais se respondem com frases engraçadas, nomeadamente envolvendo as palavras “avó”, “rodas” e “camião”. É impossível saber, mas deveria valer pelo menos um pequeno ódio do Tottenham ao Manchester United.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler