Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Superliga Europeia. A UEFA pode proibir os jogadores dos super clubes de participarem nas seleções? Pode. E a FIFA? Também, mas como?

Será, pois, uma disputa jurídica intensa e interessante, desde logo quando se conhecer a entidade promotora desta Superliga e o regulamento da respetiva competição. Adivinho medidas cautelares a serem intentadas para suspender a eficácia do regulamento competitivo. Mas é uma luta jurídica que pode começar já. Por Alexandre Miguel Mestre

Alexandre Miguel Mestre, advogado e docente universitário, antigo secretário de Estado do Desporto e da Juventude

Infantino e Ceferin, os homens que dirigem a FIFA e a UEFA

Mike Hewitt - FIFA

Partilhar

A confirmar-se esta Superliga será uma via ao arrepio do Modelo Europeu do Desporto, tal como o conhecemos, assente numa lógica piramidal (praticantes, clubes, federações nacionais, confederações continentais, federações internacionais, COI).

Será uma competição paralela, fechada, de elite, não assente no princípio da promoção/relegação, isto é, participa-se essencialmente por convite e não por mérito desportivo, num quadro próximo do Modelo Americano do Desporto. Será um corte na lógica da solidariedade do topo à base da pirâmide, do profissional e mais rico para o amador, a formação, o mais pobre.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler