Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Nove dos 12 clubes da Superliga assinam paz com a UEFA. Mas não sem consequências e possíveis multas milionárias

Barcelona, Real Madrid e Juventus foram os únicos clubes que não assinaram uma declaração de compromisso para regressarem à égide da UEFA. Clubes ingleses, AC Milan, Inter Milão e At. Madrid pediram desculpa e caso voltem a tentar formar uma competição fora da UEFA terão de pagar 100 milhões de euros

Tribuna Expresso

SOPA Images/Getty

Partilhar

“No espírito da reconciliação e a bem do futebol europeu”. Assim começa o comunicado da UEFA que confirma que nove dos 12 clubes fundadores da Superliga assinaram uma declaração de compromisso com o orgão máximo do futebol europeu, nomeadamente com as suas competições.

Uma espécie de tratado de paz onde não estão Real Madrid, Juventus e Barcelona, os únicos clubes que não renunciaram à nova competição. Liverpool, Manchester United, Arsenal, Tottenham, Manchester City, Chelsea, Atlético Madrid, AC Milan e Inter Milão foram os clubes que voltaram ao seio da UEFA e estão de regresso à Associação Europeia de Clubes.

“Estes nove clubes reconhecem e aceitam que o projeto da Superliga era um erro e pedem desculpa aos adeptos, às federações nacionais, ligas domésticas e aos restantes clubes europeus e UEFA. Reconhecem ainda que o projeto não seria reconhecido pelos estatutos e regulamentos da UEFA”, pode ler-se no comunicado.

Mas nada se vai fazer sem consequências. Os nove clubes acordaram terminar definitivamente a sua ligação à Superliga e caso voltem a forjar outra competição fora da égide da UEFA terão de pagar uma multa de 100 milhões de euros.

Em conjunto vão ainda doar 15 milhões de euros para beneficiar o futebol jovem nas comunidades locais e 5% dos proveitos que teriam da UEFA ser-lhes-à retirado e distribuído por outros clubes.