Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

A Copa América começa este domingo com um Brasil - Venezuela. E na Venezuela há 13 casos de covid-19

Competição de seleções da América do Sul arranca com a sombra da pandemia a pairar sobre as equipas e muita contestação no Brasil por ter aceitado receber a prova após as desistências de Colômbia e Argentina

Lusa

Pedro Vilela/Getty

Partilhar

A Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol) confirmou no sábado, em comunicado, a existência de 13 elementos contaminados com o novo coronavírus na comitiva da Venezuela, treinada pelo português José Peseiro e que vai participar na Copa América.

De acordo com o organismo, estes elementos, entre jogadores e outras pessoas ligadas à seleção, estão isolados, com a restante comitiva a submeter-se a testes diários, seguindo aptos para participar na competição.

As autoridades de saúde já tinham revelado a existencia de 12 casos na seleção ‘vinotinto’.

Nahuel Ferraresi (Moreirense), Mikel Villanueva (Santa Clara) e Jhon Murillo (Tondela) são os futebolistas internacionais venezuelanos que jogam em Portugal escolhidos por José Peseiro para competirem na Copa América.

O surgimento de vários casos positivos na Venezuela, na véspera do jogo com o Brasil, o novo país sede da competição após as desistências da Colômbia e da Argentina, face ao elevado número de casos de covid-19, é o mais recente ‘golpe’ na organização.

A organização de última hora da competição no Brasil, originou também muitas críticas ao país, incluindo a própria seleção ‘canarinha’ num manifesto partilhado nas redes sociais de vários jogadores, e quando o Brasil é dos países mais afetados pela pandemia em todo o mundo, com o segundo maior número de mortes, na ordem dos 484.000 óbitos.