Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Brasil bate Venezuela na estreia na Copa América: Neymar molhou a sopa e está apenas a 10 golos de Pelé

Brasileiros, jogando em casa, venceram o primeiro jogo do Grupo B por 3-0, com golos de Neymar, Marquinhos e Gabriel Barbosa. A Colômbia venceu o Equador, com Gonzalo Plata de início, por 1-0. A Argentina de Messi entra esta noite em ação

Tribuna Expresso

Buda Mendes

Partilhar

Neymar marcou o 67º golo pelo Brasil na vitória contra a Venezuela no arranque da Copa América (3-0) e já só está a 10 de Pelé. Os outros golos do triunfo foram marcados por Marquinhos e Gabriel Barbosa.

O jogo inaugural do torneio, que gerou polémica e controvérsia porque os jogadores brasileiros se mostraram contra a organização daquela competição no país, gravemente afetado pela pandemia de covid-19, teve lugar no Estádio Mané Garrincha, o homem que encantou o mundo no final dos anos 50 e também na década de 60.

Antes de o jogo começar sabia-se que a Venezuela estava a sofrer um surto de covid-19, já que 13 pessoas da comitiva, entre jogadores e staff técnico, acusaram positivo nos testes. Resultado: foram convocados outros 15 jogadores para colmatar as ausências.

Sobre o feito de Neymar, que se aproxima dos golos do Rei Pelé, Tite, o selecionador, foi cauteloso: “Não vamos comparar, é injustiça comparar épocas, atletas e números. Existe magnitude de um Zico da vida, que é da minha geração, extraordinário, tem da nossa geração, Neymar, extraordinário, logo ali atrás teve Romário, Ronaldo, extraordinários. São etapas, ciclos, momentos que tem que ter cuidado para não compará-los", disse o treinador, que alegadamente esteve na corda bamba e quase a sair do cargo devido a interferências políticas, aqui citado pelo Globo Esporte.

Já sobre a equipa, garantindo que não vai mudar muito de um jogo para o outro, Tite disse o seguinte: “A ideia inicial é não descaracterizar. Se você desmonta uma equipa, quebra os links, as conexões, a estrutura que a gente vem montando nos dois sistemas que a gente tem, você tira a confiança do atleta. Ele vai para o jogo e não joga bem, a avaliação fica prejudicada. No transcurso do jogo, sim, [vendo] o que o jogo exige, o que o jogo pede, inclusive para acelerar o adversário. Você consegue, vai minando o adversário, que vai correndo, desgastando. Nos nossos jogos, no segundo tempo a gente consegue sempre um número de oportunidades e finalizações maiores do que no primeiros”.

O Colômbia-Equador, também do Grupo B, onde está o Brasil, terminou 1-0, com golo de Edwin Cardona. Gonzalo Plata, futebolista do Sporting, foi titular pelo Equador, enquanto Luis Díaz, do FC Porto, não saiu do banco de suplentes colombiano.

Esta segunda-feira arranca o Grupo A, com um sedutor Argentina-Chile (22h, SportTV2) e, já depois da meia-noite, Paraguai-Bolívia (01h00, SportTV2).