Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Morreu Gerd Müller, o incrível avançado alemão

Notícia foi avançada pelo Bayern Munique, onde o goleador brilhou nos anos 60 e 70. Müller tinha 75 anos e as causas da morte não foram ainda reveladas. Melhor marcador da história da Bundesliga, o atacante que desafiava o protótipo do avançado alemão foi o marcador do golo que deu o título mundial à Alemanha em 1974, frente à Holanda

Lídia Paralta Gomes

ullstein bild/Getty

Partilhar

Era baixo, não propriamente atlético, muito longe do protótipo do avançado alemão. Mas a sua rapidez, faro para o golo e um instinto fora do comum fizeram dele um dos maiores goleadores da história. Gerd Müller, o incrível avançado alemão, partiu este domingo, aos 75 anos, uma notícia avançada pelo Bayern Munique, onde brilhou durante 15 anos durante os anos 60 e 70.

Vencedor de um Mundial (1974) e um Europeu (1972) pela Alemanha, Müller marcou impensáveis 566 golos em 607 jogos oficiais pelo Bayern Munique, clube que ajudou a vencer quatro Bundesliga. Foi também sete vezes o melhor marcador do campeonato alemão, onde fez 365 golos, ainda hoje um recorde. Pela seleção nacional alemã marcou 68 golos em 62 jogos.

Era chamado de “O bombardeiro da nação” pela sua enorme facilidade em fazer golos, inteligência e sentido de oportunidade. Formado no Nordlingen, começou a carreira profissional nesse clube da sua terra natal, transferindo-se em 1964 para o Bayern Munique, na altura ainda no segundo escalão alemão, onde se juntou a Franz Beckenbauer ou Sepp Maier. Com eles, o Bayern tornou-se a força dominante na Alemanha e também na Europa, com três Taças dos Campeões Europeus conquistadas de forma consecutiva entre 1974 e 1976. Muller foi Bola de Ouro em 1970 e o melhor marcador da Europa em 1970 e 1972.

STAFF/Getty

Terminou a carreira nos Estados Unidos, na antiga NASL, e depois de pousar as botas passou por momentos complicados, questões ligadas ao alcoolismo, que ultrapassou depois do Bayern Munique lhe oferecer um lugar de treinador na sua estrutura. Pelas suas mãos passaram jogadores como Philipp Lahm, Bastian Schweinsteiger ou Thomas Muller.

Desde 2015 que lutava contra a doença de Alzheimer e estava retirado da vida pública.

“Hoje é um dia triste e negro para o Bayern Munique e todos os seus adeptos. O Gerd Müller foi um dos melhores avançados que já existiu e era uma ótima pessoa, uma figura do futebol mundial”, sublinhou o presidente do Bayern Munique, Herbert Hainer, que sublinhou que o clube está “unido nesta profunda tristeza com a sua esposa Uschi e a sua família”.

“Sem Gerd, o Bayern não seria o clube que todos amamos hoje. O seu nome e memória viverão para sempre”, escreveu ainda Hainer no site oficial do clube de Munique.

Já Oliver Kahn, antigo guarda-redes e agora CEO do Bayern Munique, sublinhou como a morte de Muller “afeta todos profundamente”.

“Ele é uma das maiores lendas da história do Bayern Munique, as suas conquistas são incomparáveis e farão sempre parte da grande história do clube e de todo o futebol alemão. Como jogador e pessoa, Gerd Müller representa como nenhum outro o Bayern e o seu desenvolvimento como um dos maiores clubes do mundo. Gerd ficará para sempre nos nossos corações”, disse ainda Kahn.