Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

E tu, o que vais fazer quando deixares de jogar futebol? Dois terços dos profissionais não sabem

Um estudo da FIFPro, o sindicato internacional de jogadores, concluiu que 67% dos futebolistas profissionais desconhecem o que vão fazer com a sua vida no dia em que se decidirem retirar. Entre os inquiridos no estudo, só 33% revelou ter "confiança" no que irá fazer depois de parar de jogar

Lusa

Christopher Furlong/Getty

Partilhar

Dois em cada três futebolistas profissionais não sabem o que fazer quando terminarem a carreira, aponta um estudo divulgado, esta segunda-feira, pela FIFPro, a associação representativa da profissão, e realizado pela Universidade de Bruxelas.

Segundo o trabalho, levado a cabo junto de 282 futebolistas no ativo e já retirados de 33 países diferentes, 67% dos jogadores não tem a certeza do que vai fazer após deixarem de jogar futebol profissional.

Apenas 33% pode garantir ter “confiança” no caminho a seguir, com 49%, dentro dos incertos, a expressar ter “uma ideia”, ou “alguns interesses”.

O trabalho foi levado a cabo no âmbito da campanha “Mind the Gap”, que procura levar sindicatos de jogadores a apoiar o desenvolvimento pessoal dos futebolistas, e os números mostram que 70% dos inquiridos que revelaram ter tido ajuda a planear o pós-carreira tiveram-no por estas associações.

Para o secretário-geral da Fifpro, Jonas Baer-Hoffmann, este estudo deve fazer “acordar a indústria do futebol” para a realidade de que é preciso “fazer mais para ajudar jovens, homens e mulheres, para se prepararem para o momento em que deixam de jogar”.

“Não é só sobre o seu futuro financeiro, mas também sobre a sua saúde mental e bem-estar”, acrescentou Baer-Hoffmann, citado em comunicado.

Mais de um terço dos futebolistas já retirados, 34%, começaram a planear a nova carreira três anos antes de parar de jogar, com 19% a pensar no assunto desde que começaram a jogar e 12% após uma lesão grave, com 46% a listarem um fim inesperado da carreira.

Mais de metade, 54%, não recebeu qualquer ajuda com planeamento ou desenvolvimento pessoal, seja apoio psicológico, oportunidades de estudo ou outros momentos formativos.