Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

O treinador do Milan tem uma ideia para promover o futebol de ataque. E foi "roubá-la" ao basquetebol

Stefano Pioli acredita que o futebol sairia beneficiado se aproveitasse uma das regras do basquetebol, em que uma equipa que está a atacar não pode voltar ao seu meio-campo defensivo

Tribuna Expresso

Marco Luzzani

Partilhar

A mais que centenária história do futebol é feita de fundamentos nos quais nunca se tocaram, mas também de introdução de regras que tornaram o desporto mas atrativo e organizado. A lei do fora de jogo será uma delas, o impedimento que o guarda-redes apanhe a bola quando esta vem de um colega outra.

Agora, Stefano Pioli avança com mais uma proposta. O treinador do Milan acredita que para beneficiar o jogo ofensivo, o futebol deveria ir beber ao basquetebol a regra que impede uma equipa que esteja a atacar já dentro do meio-campo do rival de voltar ao seu meio-campo defensivo até perder a posse da bola.

"Se queremos ver um tipo de jogo mais atacante no futebol moderno é preciso introduzir uma regra que não permita voltar ao próprio campo uma vez ultrapassada a linha central", sugeriu o treinador durante a conferência de imprensa de antevisão ao encontro com o Spezia para a Serie A, onde aproveitou para lançar ainda mais propostas que, na sua opinião, deveriam ser adotadas no livro de regras do futebol.

Uma delas até já está em prática, mas Pioli gostaria que fosse permanente. No caso, as cinco substituições introduzidas devido aos constrangimentos provocados pela covid-19 no esforço dos atletas no último ano e meio.

"São muito importantes. Tenho andado a dizer isto desde há muito tempo. Especialmente agora que temos jogos a cada três dias. Nem é a questão da quantidade de minutos que um jogador joga, mas sim a qualidade cada vez que joga", explicou o técnico italiano, que gostava também de ver o relógio de jogo a parar cada vez que a bola sai do terreno de jogo.

"Se eu mandasse, o relógio parava. E trazia também um desconto de tempo na primeira parte", propôs ainda.