Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Árbitro inglês assumiu a homossexualidade: “Não preciso de andar com uma t-shirt a dizer: 'sou gay'. Tratem-me como um ser humano normal”

James Adcock é um árbitro profissional no futebol inglês, que já apitou na Premier League e, no "National Coming Out Day", partilhou a sua experiência como homossexual no mundo do desporto

Tribuna Expresso

Alex Dodd - CameraSport/Getty

Partilhar

A homofobia é um problema que ainda está bem presente no mundo do desporto e do futebol profissional em particular. Ora, no National Coming Out Day, em Inglaterra, James Adcock, árbitro de futebol com mais de 500 partidas dirigidas na carreira, falou sobre a sua sexualidade ao "BBC's LGBT Sports Podcast".

Adcock, de 37 anos, confessou que não se assumiu como homossexual até aos 27 anos, e que, depois disso, "algumas pessoas do futebol sabiam e outras não". O árbitro confessa que tem sentido "total apoio" dos seus colegas de profissão, os quais não "mudaram a forma como [lhe] falam" por acharem, anteriormente, que este era heterossexual e terem vindo a saber que era homossexual. "Estamos orgulhos de ti, James, que possas dizer que és abertamente gay no desporto", confessa, indicando algo que os colegas lhe dizem.

Mike Egerton - EMPICS/Getty

"Não preciso de andar com uma t-shirt a dizer: 'sou o James Adcock, sou gay'", considera o árbitro londrino, que frisa não ter tido de sofrer "abusos homofóbicos", ainda que "muitos árbitros considerem que não se podem assumir porque isso irá afetar a sua progressão no desporto", mas que essa é uma decisão que deve ser tomada por cada um "como pessoa e não como árbitro".

Após algumas lesões, James Adcock voltou recentemente a dirigir encontros na Football League, o sistema que organiza as ligas do futebol inglês entre o 2.º e o 4.º escalões. Adcock pede que o "tratem como outro qualquer", que um "adepto, um jogador ou um treinador" apenas o "julguem" com base nas suas prestações. "Não estou a arbitrar por ser gay, estou a arbitrar porque sou um árbitro de futebol — então tratem-me somente como um ser humano normal", pede o árbitro.