Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Dani Alves é um jogador livre e garante: "Se o Barça pensar que precisa de mim, só tem de me ligar"

Após abandonar o São Paulo, o futebolista mais titulado da história está sem clube e, em entrevista ao "Sport", reconheceu ter muito "carinho, amor e respeito" pelos "culés". "O único lugar neste mundo onde tenho casa é em Barcelona", disse o brasileiro

Tribuna Expresso

Paul Gilham/Getty

Partilhar

O Barcelona vive um momento complicado. Orfão de Messi, com uma situação financeira ruinosa e com resultados desportivos pobres, a equipa catalã está longe da glória do seu passado recente. Glória essa que teve em Dani Alves um dos seus principais protagonistas.

Após rescindir o seu contrato com o São Paulo, o brasileiro é, agora, um jogador livre e, em entrevista ao jornal "Sport", "piscou o olho" a um regresso ao Barça. "O único lugar neste mundo onde tenho casa é em Barcelona", confessou o antigo jogador de Bahia, Sevilla, Barcelona, Juventus, PSG e São Paulo, agora com 38 anos.

Dani Alves, que com 43 troféus coletivos conquistados é o futebolista mais titulado da história, explicou que esteve "quase dois anos sem férias" e, portanto, tem aproveitado para "descansar" desde que saiu do São Paulo, estando a "treinar à espera que o mercado abra para assinar por uma equipa".

Tendo deixado claro que procura "um clube que lute por títulos" e que "as suas condições físicas falam por si", Alves reconheceu que seria "muito oportunista" afirmar que o Barça necessita de si, mas afirmou não fechar a porta do regresso caso esta se abra: "Se o Barça pensar que precisa de mim, só tem de me ligar", expressou.

Manuel Blondeau - Corbis/Getty

O internacional brasileiro realçou o seu "carinho, amor e respeito" pelo clube catalão, acreditando poder dar o seu contributo à equipa "pela quantidade de jovens que tem agora", visto que é "a mistura de juventude e veterania que dá equilíbrio e possiblidades de lutar por grandes coisas". "Todos aqueles que amam o Barcelona estamos dispostos a ajudar para que o clube recupere o poderio que tinha", garantiu Alves.

Para o futebolista, os "culés" vivem uma "etapa de transição", que, se for "bem gerida", "não será um ano perdido". Dani salientou que "as dificuldades surgem para testar a tua grandeza e capacidade" e que "o Barça volta sempre", podendo demorar "meio ano, três meses ou um ano", mas "não será agora que não irá conseguir voltar".

Com 119 internacionalizações pelo Brasil, o campeonato do mundo é, praticamente, o único grande título que resiste ao jogador, e por isso Dani Alves confessou que estar no Mundial do Catar "é o que o move". "Sei que só estarei no Mundial se competir bem numa equipa", opinou o jogador, que diz ter ficado como a "espinha encravada" de não ter estado no Mundial 2018 por lesão.