Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

O apelo de Richarlison: “Por favor, não deixe de tomar a vacina. Precisamos de acabar com essa ‘bagaça’”

Num artigo no "The Players' Tribune", o internacional brasileiro pede para que se "confie na ciência", vincando que os "efeitos da vacina no controlo da pandemia são inquestionáveis". Richarlison opina, no entanto, "não achar certo tratar quem não se vacinou" como um "inimigo", acreditando que "tudo pode ser resolvido na base da conversa". Mas abre uma exceção: "os que usam estes assuntos sérios para fins políticos, o que é inaceitável"

Tribuna Expresso

Visionhaus/Getty

Partilhar

A vacinação contra a covid-19 — e a rejeição da mesma por partes da população — é um dos temas do momento. E o desporto não é alheio à questão, seja pela realização de campanhas a favor da vacinação por parte de diversas entidades e protagonistas ou, em sentido contrário, pela recusa de algumas estrelas em serem imunizadas.

Desta feita, foi Richarlison, jogador do Everton e internacional brasileiro, a fazer um sentido apelo num artigo no "The Players' Tribune", intitulado: "Por favor, não deixe de tomar sua vacina". O pedido do avançado, que no passado verão se sagrou campeão olímpico, surge pouco depois de Joshua Kimmich, mais um nome de peso no futebol, ter revelado ainda não se ter vacinado.

Richarlison, de 24 anos, começa o texto avisando que "a conversa não é sobre futebol", mas sim sobre algo "mais importante do que desporto". O atacante confessa ter "sentido que era necessário" apelar à vacinação quando soube que "muitas pessoas" ainda não se imunizaram por "escolha própria", algo que o "deixa preocupado".

O brasileiro, 32 vezes internacional pela principal seleção do seu país, atribui a rejeição à vacinação à "influência" provocada por "informações falsas e teorias da conspiração" partilhadas nas redes sociais. "Como pessoa pública, vejo-me na obrigação de partilhar com vocês alguns dados de fontes realmente confiáveis".

TIZIANA FABI/Getty

O futebolista dos ingleses do Everton, embaixador de um programa da Universidade de São Paulo que já arrecadou cerca de 3 milhões de euros em "doações para pesquisas e projetos científicos", recorda que "os cientistas e médicos arriscaram as suas vidas" e "abriram mão de conviver com as suas famílias" para tentar uma solução, classificando os profissionais como "verdadeiros heróis".

Richarlison considera que a sua "plataforma no futebol é um meio para que muita gente compreenda a importância da ciência nas nossas vidas". Se o jogador "conseguir influenciar uma pessoa a se vacinar", garante, já se sentirá "vitorioso" por ser "uma vida que será salva dessa doença". O avançado frisa que "por se ter aproximado da ciência" percebeu "claramente" como a "vacina nos tem dado esperança", algo que "os números comprovam".

"Não queremos reviver o pesadelo de há ano e meio", destaca Richarlison, que insiste várias vezes nas estatísticas que demonstram como os "efeitos da vacina no controlo da pandemia são inquestionáveis".

Tony McArdle - Everton FC/Getty

Richarlison lamenta ainda a morte do seu primeiro treinador de futebol, infetado com Covid-19, tendo também os seus pais estado infetados. "Precisamos acabar com essa 'bagaça'. E o único caminho para a cura é a vacinação geral, o máximo de gente, o mais rápido possível. Estamos quase lá. Só falta empurrar a bola 'pro gol'", escreve o brasileiro.

O jogador garante "não duvidar" da fiabilidade da vacina, ainda que haja "muita gente com pé atrás", "até mesmo alguns atletas: "Uma pessoa que não se vacina pode afetar o grupo de jogadores e o clube no geral. E isso vale para qualquer área ou profissão", salienta Richarlison, que entende que a vacinação é "muito mais do que apenas uma escolha individual".

Ainda assim, o futebolista opina "não achar certo tratar quem não se vacinou" como um "inimigo", acreditanto que "tudo pode ser resolvido na base da conversa", ainda que abra uma excepção: "os que usam estes assuntos sérios para fins políticos, o que para mim é inaceitável".

"Mete logo a vacina no corpo e 'bora' correr 'pro' abraço", é o apelo final de Richarlison.